22 jan 2007 - 11h44

Análise de Iraty 1 x 2 Atlético, por Thiago Henk

Análise de Iraty 1 x 2 Atlético
por Thiago Henk

Uma cidade aconchegante para uma partida de futebol é Irati. O povo de lá gosta de futebol e gosta do Atlético. Estádio quase cheio é sinônimo de ânimo e mais cobrança para os jogadores, foi bem assim. Jogo as 16h com sol das 15h foi um desafio à parte nesse domingo.

O Furacão entrou em campo com o não tão popular "time B" e bem defensivo, usando o esquema 3-5-2. Na zaga Gustavo, Erandir e Alex foram os responsáveis por conter o ataque iratiense, já os alas foram Rodrigo Crasso pela esquerda e Rogerinho pela direita. O meio era composto por Chico, Welington e Evandro. No ataque, Jonatas e Rodrigão seriam os responsáveis por minar a defesa adversária.

O começo do jogo foi morno, com as equipes estudando uma a outra e com a bola não saindo do meio-de-campo. Em ataques aleatórios, Atlético e Iraty travavam um duelo pouco objetivo. Nas poucas falhas das defesas, Rodrigão teve duas oportunidades: na primeira, chutou rasteiro em cima do goleiro Emerson e na segunda, chutou para fora. Mas foi o ala Rogerinho que teve a melhor chance atleticana na primeira etapa: pela direita fez uma bela jogada, driblando o lateral, dois meias e um zagueiro. Ficou cara-a-cara com o goleiro e chutou em cima, uma pena. Primeiro, por ter segurado demais a bola, enquanto Rodrigão estava livre à esquerda. Segundo, por ter feito o último drible para o lado errado. Se tivesse cortado para esquerda estaria com o atacante ao seu lado e também com o gol aberto. Já no Iraty, as bolas cruzadas foram a principal arma na primeira etapa e como de costume nossa zaga falhou em algumas delas, dando chance para o Iraty abrir o placar. O calor venceu as duas equipes e o primeiro tempo terminou sem nenhum gol no marcador.

O segundo tempo começou melhor, pois as equipes estavam mais soltas e faziam a bola rodar por todo o campo. Mas foi o Furacão que acertou a estratégia para bater o adversário: abrir o jogo para as laterais. Após a saída do inoperante Rodrigo Crasso, Chico soube usar melhor as frustradas subidas do lateral direito iratiense e conseguiu chegar à linha de fundo. Na direita, Rogerinho continuou suas investidas ao ataque, mas como estava muito cansado ficou mais na defesa. Aos 12 minutos saiu o gol atleticano. Após excelente investida de Erandir ao ataque, Jonatas recebe a bola, deita o zagueiro e entrega para Rodrigão: "Faça." E ele fez o primeiro – 1 a 0 Furacão. A entrada do meia Kaio fortaleceu o meio-campo atleticano e dos pés dele começou a jogada do segundo gol. Pela direita, ele inverteu a bola ao "lateral" Chico, que chutou cruzado para Jonatas apenas desviar para o fundo das redes. Com dois gols de vantagem, imaginei que o Atlético teria vida fácil nos vinte minutos finais, mas não foi assim. Após o belo gol de falta do lateral-esquerda do Iraty, um recente jogo em São José dos Pinhais me veio à cabeça. A pressão foi grande, mas conseguimos segurar o placar.

Além de subirmos na tabela da competição essa vitória quebra um jejum de quase dois meses sem vitória. Que seja a primeira de muitas em 2007.

Avaliação dos jogadores

Vinicius: Soube sair bem do gol nas bolas aéreas e teve uma ótima reposição de bola. No gol do Iraty ficou vendido após uma excepcional cobrança de falta. Nota 7,0

Rogerinho: Dedicou-se ao máximo no primeiro tempo. Foi incansável pela ala-direita, quase fez um gol de placa numa jogada individual. No segundo tempo cansou, mesmo assim mostrou habilidade e muita força de vontade. Nota 7,5

Alex: Marcou bem as decidas do lateral-esquerda adversário, falhou um pouco na saída de jogo. Nota 6,5

Gustavo: Foi seguro e soube anular o centroavante Leandro. Nas bolas aéreas, portou-se muito bem. Nota 7,0

Erandir: O melhor jogador da partida. Desarmou com precisão e foi o jogador mais lúcido na saída de jogo. Foi dele a grande jogada do primeiro gol. Ótima partida! Nota 8,0

Rodrigo Crasso: No ataque limitou-se a chegar à lateral e recuar a bola para o zagueiro. Na defesa, foi extremamente infeliz. Não marcou e mostrou um preparo físico abaixo da média. Nota 5,5

Chico: No primeiro tempo, na posição de volante, não apareceu. Com a saída de Rodrigo Crasso, ocupou a lateral e melhorou o rendimento do time naquele setor. Mostrou, como sempre, vontade e bom passe. Nota 7,0

Welington: Não suportou o forte calor. Correu pouco e errou muitos passes. Na marcação, deixou a desejar. Nota 6,0

Evandro: Foi pouco objetivo, segurou muita a posse de bola e foi marcado facilmente. Nota 6,5

Jonatas: No primeiro tempo, aceitou a marcação e não jogou. Já na segunda etapa foi essencial para vitória atleticana. Deu o passe final para o primeiro gol e fez o segundo. Nota 7,5

Rodrigão: O forte calor o prejudicou, mesmo assim guardou o seu. Nota 7,0

Substitutos

Douglas (55′): Fez a função de primeiro volante e não comprometeu. Nota 6,0

Kaio (67′): Como Evandro, faltou-lhe objetividade. Mesmo assim, fez um excelente passe que culminou o segundo gol atleticano. Nota: 6,5

Dinei (72′): Pouco jogou para poder ser avaliado. Sem nota

Thiago Henk é colaborador da Furacao.com. Clique aqui para entrar em contato com ele.

O texto acima não representa necessariamente a opinião dos integrantes da Furacao.com e seu autor se responsabiliza integralmente pelo conteúdo.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…