27 jan 2007 - 11h33

Conclusão da Arena mais próxima de ser realidade

Sonho da torcida atleticana, a conclusão da Kyocera Arena estará mais próxima a partir da semana que vem. No começo da semana, o prefeito Beto Richa deve assinar a Lei 11.997, definindo Zonas Especiais Desportivas e prevendo novas regras para a construção em torno dos estádios de futebol dos times de Curitiba. O decreto foi aprovado pela Câmara Municipal de Curitiba em novembro do ano passado, mas atendendo a um pedido do Instituto de Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), houve mais um tempo para a regulamentação do projeto.

“O decreto já devia ter sido assinado há duas semanas. Mas o Ippuc pediu para incluir novas áreas. Não houve equívoco algum”, afirmou em entrevista ao jornal Tribuna do Paraná o vereador Mário Celso Cunha.
Com a assinatura do prefeito ao decreto, as áreas em torno aos estádios de futebol na cidade ganham regras diferenciadas na Lei de Zoneamento e Uso do Solo. O principal benefício é incentivar melhorias e a ampliação dos estádios curitibanos.

A partir do momento em que o prefeito Beto Richa assinar o decreto, o Atlético fica livre para assumir a posse do terreno anexo ao estádio, onde hoje fica o colégio Expoente. Na semana passada, a Furacao.com já noticiou que o colégio começou a ser demolido, com a retirada da estrutura metálica que envolvia as quadras esportivas do Expoente.

As obras no novo colégio, há duas quadras da Kyocera Arena, também estão bastante adiantadas para garantir o início do ano letivo já na nova unidade. “Estamos fazendo dentro da legalidade, o Ministério Público está acompanhando e demora um pouco mesmo. Mas o decreto foi entregue pelo Ippuc hoje (sexta-feira) ao secretário de Planejamento. A situação é tão clara que o colégio já deixou o terreno e vai inaugurar em breve sua nova sede”, disse Mário Celso,

Dez anos de discussões

A retirada oficial do colégio do terreno ao lado da Baixada marca o fim de uma briga judicial que se arrasta por 10 anos, quando o Atlético comprou parte do terreno anexo ao estádio. O problema começou porque não havia delimitação dos 50% da área que foram adquiridas pelo Atlético – o clube afirmava que era a região ao lado do estádio, mas o outro dono do terreno (que antes pertencia a dois irmãos) dizia que era a área voltada para a Rua Brasílio Itiberê.

A discussão se arrastou por vários anos, com o Expoente sendo inquilino do Atlético por todo este tempo. Em 2005, o Atlético finalmente conseguiu um acordo com o proprietário da outra parte do terreno e comprou toda a área. Pelo acordo, o Expoente cedeu a área onde antes ficavam as quadras esportivas para o Atlético construir arquibancadas móveis, visando a final da Libertadores da América daquele ano. Apesar do veto da Conmebol para a realização do jogo na Arena, a área nunca mais foi ocupada pelo colégio, que em troca conseguiu negociar com o Atlético sua retirada oficial pra dezembro de 2006 – tempo suficiente para a construção de uma nova sede, nas imediações do estádio.

A briga passou, então, a ser com a prefeitura, já que foi necessária a mudança na Lei de Zoneamento da cidade, para viabilizar a construção do Expoente há duas quadras da sede atual.

Agora, na segunda ou terça-feira da semana que vem, o problema que se estende por uma década deve chegar ao fim. Finalmente, o Expoente deixa a área onde ocupava e o terreno fica definitivamente nas mãos do Atlético, tornando mais próximo o sonho da conclusão do estádio Joaquim Américo.

Obras na Arena

A retirada oficial do Expoente do terreno ao lado da Arena não deve marcar o início das obras de conclusão do estádio. A diretoria atleticana ainda não se pronunciou oficialmente, mas nos últimos tempos tanto o presidente Mario Celso Petraglia, quanto o diretor de Marketing Mauro Holzmann afirmaram que o clube ainda estuda o projeto para a finalização do estádio, que teve que ser alterado. A idéia da diretoria é construir um complexo esportivo no local, incluindo também a construção de um ginásio de esportes, que já foi batizado de “Areninha”.

"No começo do ano deve ter a demolição daquele prédio do colégio. Enquanto ela acontece, vamos estudando os projetos que temos para então iniciar as obras de construção. Tivemos que mudar o projeto inicial, pois ele previa um estádio para 36 mil pessoas. Mas para abrigar partidas de final, vamos aumentar a Arena para 40 mil, sem mudar a estrutura física", afirmou no final do ano passado o diretor de Marketing, Mauro Holzmann.

Além da mudança do projeto, outra barreira a ser suplantada é conseguir um financiamento para concluir a obra. "Vamos buscar um financiamento a longo prazo porque o clube não quer usar mais nem o capital de giro e nem mais as receitas de transferência de jogadores para investir no patrimônio. Já foi feito um sacrifício muito grande até aqui. Vamos buscar que as propriedades possibilitem, a longo prazo, um financiamento de 10 ou 15 anos a ser pago com a receita da própria Arena, para que não tenhamos mais que sacrificar o futebol com transferências", disse o presidente Mario Celso Petraglia, em entrevista coletiva em maio de 2006.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…