7 fev 2007 - 23h05

Adianta falar alguma coisa?

O Atlético perdeu para o Paranavaí por 2 a 1 em jogo disputado na noite desta quarta-feira no Estádio Waldemiro Wagner, em Paranavaí, noroeste do estado. Novamente representado pelo time B, o Rubro-Negro voltou a jogar mal e a cometer os mesmos erros de partidas anteriores. O time sofreu gols em jogadas aéreas e os atletas demonstraram imaturidade, entregando os pontos para o adversário no último minuto. Todos esses erros já haviam ocorrido nas partidas contra o Londrina e o Cascavel.

Antes de se proceder o relato do jogo, é preciso destacar o quanto a torcida atleticana sofreu para poder acompanhar a atuação do seu time. Como os jogos do Atlético não estão sendo exibidos pela televisão, os torcedores têm acompanhado as partidas fora de Curitiba através das rádios. Porém, nenhuma rádio transmitiu o jogo do Atlético nesta quarta. A melhor alternativa foi ouvir a Rádio Banda B, que transmitiu simultaneamente os jogos do Atlético contra o Paranavaí e do Coritiba contra a Adap Galo. A Clube B-2 apresentou alguns comentários com o repórter Jairo Silva e a Transamérica divulgou apenas o resultado da partida, de tempo em tempo. Por conta disso, a descrição da partida fica extremamente prejudicada.

A escalação do Atlético, que entrou em campo todo de preto, surpreendeu a torcida. As rádios anunciaram a presença de Dinei em lugar de Rodrigão, que estaria sendo negociado com o futebol saudita. Logo na primeira jogada, o Atlético levou perigo ao Paranavaí com Rogerinho. O time da casa respondeu com conclusões de Edison e Roque, cobrando falta. O Vermelhinho abriu o marcador aos 18 minutos. Após cobrança de escanteio, Diego Correa precisou se abaixar para cabecear para o fundo da rede. Foi o nono gol sofrido pelo Atlético em jogadas aéreas neste ano. Durante a semana, o técnico Ivo Secchi insistiu que o Atlético não poderia mais sofrer gols em jogadas desse tipo. Pelo visto, a lição não surtiu muito efeito.

Mesmo tendo sofrido o gol, o Atlético jogou melhor. As principais chances surgiram em bola parada. Aos 22, Evandro quase marcou um gol olímpico. Logo depois, arriscou de fora da área e também ameaçou a meta de Vanderlei. Welington, Rogerinho e Dinei também tiveram chances de empatar o jogo, mas erraram na hora de concluir.

Show de expulsões e incompetência

Preocupado com o rendimento da equipe, Ivo Secchi fez duas modificações no intervalo. Colocou o volante Rodrigues no lugar de Stanley, passando Chico para a lateral-esquerda, e o atacante Ricardinho no lugar de Dinei, desmontando o esquema de jogar com um atacante fixo na área. Mesmo com as mudanças, quem dominou o início do segundo tempo foi o Paranavaí, que esteve a pique de marcar logo no primeiro minuto. Welington deu o troco aos três minutos, mas novamente faltou precisão no chute. Aos 10 minutos, o volante Erandir cometeu falta e criou-se uma pequena confusão quando Edenílson resolveu tirar satisfação. O árbitro Edivaldo Elias da Silva expulsou os dois atletas.

Aos 18 minutos, Vagner salvou o Atlético, praticando uma grande defesa. Logo depois, o zagueiro D’Marcellus cometeu falta violenta e foi expulso, deixando o Atlético com um jogador a mais. Na cobrança de falta de Welington, o Furacão só não empatou por capricho da sorte. Gustavo girou na área e chutou, mas o goleiro Vanderlei conseguiu espalmar para escanteio. Aos 30 minutos, Ivo Secchi resolveu arriscar e trocou o volante Welington pelo atacante Jonatas. O Atlético passou a jogar, então, com três atacantes.

A pressão surtiu efeito aos 33 minutos. Em um rápido contra-ataque, Ricardinho fez uma jogada senacional e cruzou rasteiro para Evandro desviar para o gol. Antes do cruzamento, Ricardinho barbarizou: deu o drible da vaca em um zagueiro e passou como quis pelo segundo. Foi o último lance bom do Atlético no jogo. Daí para frente, o que se viu (e ouviu) foi um show de expulsões e incompetência.

Aos 38 minutos, Ricardinho cometeu falta por trás e recebeu o segundo cartão amarelo, sendo expulso de campo. Foram doze minutos de sofrimento para a torcida atleticana. Aos 39, Vagner fez milagre e salvou o Atlético. Aos 40, o Paranavaí chegou a marcar o segundo gol, bem anulado pela arbitragem. Na confusão depois do lance, o atacante Rogerinho, por atitude antidesportiva, e o técnico Ivo Secchi, por reclamação, também foram expulsos. Aos 49 minutos, a defesa atleticana errou mais uma vez e deixou Rafael Pulga livre. Ele recebeu a bola na área e deu um toquinho por cima de Vagner, marcando o segundo gol e impondo mais uma derrota ao time B do Atlético no Campeonato Paranaense.

Os erros que custaram a derrota ao Atlético diante do Paranavaí são os mesmos que haviam sido cometidos nas últimas partidas do time B, contra o Londrina e o Cascavel. Nestas duas partidas, o Rubro-Negro sofreu gols em jogadas de bolas altas na área. Depois destes dois jogos, o técnico Ivo Secchi lamentou a imaturidade da equipe, que sofreu gols nos últimos minutos e entregou resultados que pareciam estar garantidos. Durante os últimos dias, o treinador prometeu resolver esses defeitos. Contudo, o Atlético voltou a incorrer nas mesmas falhas diante do Paranavaí. O primeiro gol saiu em um cruzamento na área. O segundo foi marcado aos 49 minutos do segundo tempo, quando o empate já parecia estar sacramentado.

O alento para a torcida é que o time principal, que teve uma excelente atuação no último final de semana, volta a campo no próximo jogo, contra o Coritiba. O clássico está marcado para às 17 horas do domingo, na Kyocera Arena.

%ficha=540%



Últimas Notícias