15 mar 2007 - 21h03

Baraúnas tem laudo da CBF com inscrição de jogador

O Departamento de Registro e Transferências da CBF emitiu um documento reconhecendo um equívoco quanto ao registro do goleiro Paulo Renato, do Baraúnas. Com esse laudo em mãos, o advogado da equipe do Rio Grande do Norte, Rogério Derbly, está entrando com um recurso no tribunal pleno do STJD a fim de reaver a vaga e suspender, através de uma liminar, o jogo Vitória e Atlético, marcado para a próxima quarta-feira, pela segunda fase da Copa do Brasil.

A definição do adversário do Furacão na competição está virando uma verdadeira novela. O Baraúnas conquistou esse direito no campo, ao derrotar o Vitória na decisão por pênaltis. No entanto, o time baiano entrou com uma ação no STJD, pedindo a eliminação do clube do Rio Grande do Norte, alegando irregularidades no registro de quatro atletas do Baraúnas. Na última segunda-feira, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva acatou a denúncia dos baianos e recolocou o Vitória na competição, marcando as datas dois confrontos contra o Atlético: dia 21 de março, no Barradão, e dia 05 de abril, na Kyocera Arena.

Próximos capítulos

Com a ação do advogado do Baraúnas junto à procuradoria-geral do STJD, agora o caso será apreciado por um relator, que irá decidir se coloca em mesa de julgamento. De acordo com informações do Jornal De Fato, de Mossoró, a previsão é que o novo julgamento seja confirmado e marcado para o início da próxima semana, considerando o assunto ser de caráter urgente. A expectativa do advogado do Baraúas é de conseguir nas próximas horas uma liminar junto ao presidente do STJD, Rubens Aprobato, com a suspensão da partida entre os Rubro-negros paranaense e baiano.

De acordo com o advogado do Baraúnas, o laudo do Departamento de Registro da CBF expedido pelo diretor do DRT, Luiz Gustavo Vieira de Castro, esclarece o caso Paulo Renato e admite a falta de precisão da CBF no episódio. A transferência do atleta da Federação Carioca para a do Rio Grande do Norte se deu quando ele ainda estava no Potiguar, o que não precisaria de uma outra transferência em âmbito interestadual. A entidade não tomou conhecimento desse fato e devolveu o contrato do jogador, o que abriu tema para a reclamação do Vitória. “Esclarecemos, outrossim, que se não fosse este equívoco o contrato do jogador com o Baraúnas seria registrado em 13.02.07”, diz o documento.

Com esse documento em mãos, Derbly está otimista com uma possível reversão do quadro. “Não tenho a menor dúvida de que o pleno tribunal que é formado por pessoas sérias irá rever a decisão. Já houve casos semelhantes em que o resultado foi satisfatório”, afirmou.

Fonte: Jornal De Fato



Últimas Notícias