15 jun 2007 - 10h19

Renato Sá completa 52 anos hoje

Renato Luís de Sá Filho. Nascido em 15 de junho de 1955, natural de Tubarão, Santa Catarina, o ex-ponta esquerda de clubes como Avaí, Grêmio, Botafogo, Vasco e Atlético Mineiro, além é claro da camisa rubro-negra, está completando 52 anos. No Furacão, jogou entre 1983 e 1987. Foi campeão paranaense em 1983 e 1985.

Toque refinado, clássico e extremamente técnico. Assim poderia ser resumido o futebol praticado pelo ponta-esquerda. Sá fez parte de um sensacional Atlético, o bicampeão de 1983, formando com Washington, Assis, Capitão, Nivaldo e Joel um das melhores linhas ofensivas de toda a história do clube.

Esse catarinense chegou a Curitiba em 1983, com 28 anos. Trazia em sua bagagem algumas passagens por clubes importantes, como Botafogo, Vasco e Grêmio. No Botafogo, por exemplo, viveu um momento histórico ao marcar o gol da vitória em um jogo que quebrou a invencibilidade de 52 jogos do Flamengo. No Atlético, conquistou rapidamente a torcida com seu futebol que aliava grande técnica, visão de jogo e um ótimo chute. Seu gol mais marcante foi em 1985, num Atletiba, quando marcou o gol da vitória com um belo chute de fora da área de perna direita, mesmo sendo canhoto.

Renato Sá ainda tem muito carinho pelo rubro-negro: "O Atlético marcou muito minha vida. É um time de massa, com uma torcida empolgante e sempre presente. Fui campeão por duas vezes no Atlético e com certeza, nunca vou me esquecer", afirma ele, referindo-se aos títulos paranaenses de 1983 e 85.

Depois de abandonar a carreira, voltou para seu estado natal e se tornou empresário. Casou-se com Fernanda, filha do político Jorge Bornhausen, e passou a se dedicar apenas ao futsal. Sempre que tem um tempo disponível, Renato foge para Curitiba e vai à Arena da Baixada acompanhar um jogo do seu Atlético.



Últimas Notícias

Opinião|Sul-Americana

Libera a torcida!

Uma noite histórica em um jogo com um cardápio recheado de garra, luta, determinação, superação, entrega, guerra, -TIME DE GUERRA – sim não faltam adjetivos…