1 ago 2007 - 23h35

Empate no apagar das luzes

Após a batalha do Olímpico, quando teve dois jogadores vítimas de agressões por parte dos gremistas, esperava-se um Atlético mais vibrante e guerreiro contra o Corinthians, equipe que não vencia há nove rodadas. No entanto, para frustração dos torcedores o rubro-negro não conseguiu superar a ausência de peças-chaves na equipe e pouco pode fazer para pressionar o Timão.

A primeira chance do Atlético surgiu aos 13 minutos, quando André Rocha cruzou e Marcelo se antecipou para cabecear, porém sem potência. Depois, somente aos 38 minutos o time voltou a criar perigo. Pedro Oldoni se livrou da marcação e na hora de chutar se desequilibrou após toque do zagueiro corinthiano. O árbitro Djalma Batista nada marcou.

Contudo, aos 43 minutos o rubro-negro abriu o placar com o zagueiro Rhodolpho. O jogador aproveitou a cobrança de escanteio de André Rocha e cabeceou com força para o fundo da rede. Esse foi seu primeiro gol com a camisa profissional do Furacão.

Segundo tempo sofrido
Mal teve tempo para retornar para a segunda etapa, o rubro-negro sofreu um baque logo aos sete minutos na falha grotesca do goleiro Guilherme, que aceitou o chute de Willian e cedeu o empate aos paulistas.

O Corinthians soube aproveitar o gol e aumentou a pressão sobre o rubro-negro. Atordoado em campo, a defesa atleticana apenas observou Willian driblar três jogadores e chutar no canto direito de Guilherme para virar a partida, dando início a uma série de protestos pela torcida atleticana.

Quando parte dos torcedores já se preparava para deixar a Kyocera Arena, o jovem Rogerinho fez boa jogada individual e chutou forte para o gol de Felipe. A bola ainda desviou em Cadu antes de entrar aos 44 minutos. Durante mais quatro minutos o time atleticano tentou marcar o terceiro, mas o Corinthians conseguiu segurar o empate, resultado ruim para ambas as equipes, que ainda figuram próximos à perigosa zona de rebaixamento.

%ficha=581%



Últimas Notícias