18 ago 2007 - 0h06

Para renascer no Brasileirão

Neste sábado, o Atlético entra em campo com uma dupla missão: além de vencer o Figueirense na largada do returno do Campeonato Brasileiro e iniciar a arrancada rumo à recuperação na competição, o time precisa convencer e reconquistar a confiança do torcedor. Para isso, a diretoria deu um importante primeiro passo, anunciando nessa sexta-feira uma promoção especial no preço dos ingressos para todo o segundo turno do Brasileirão: nos dez jogos restantes do Furacão no campeonato, serão vendidos apenas meio-ingressos em todos os setores do estádio, um incentivo a mais para o torcedor lotar a Baixada e empurrar o time rumo a uma recuperação histórica no Brasileirão.

O pontapé inicial será dado neste sábado, às 18h10, na Kyocera Arena, contra o Figueirense. Para essa partida, o técnico Antonio Lopes não poderá contar com os colombianos Ferreira e Valencia, suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Em seus lugares, entram no time respectivamente Ramon (que fará a sua estréia com a camisa Rubro-negra no Campeonato Brasileiro) e Alan Bahia.

Mas nesta partida, o principal ingrediente para vencer não estará apenas dentro de campo. Mais do que nunca, o Atlético precisa da sinergia, da cumplicidade e da força da união para iniciar uma vida nova no Brasileiro. E isso só será possível se time, diretoria e torcida caminharem juntos. A fórmula é simples e por várias oportunidades já deu mostras de dar certo. Por isso, mais do que onze jogadores dentro de campo, o Furacão precisa da sua torcida!

Torcedor atleticano, neste sábado vista-se de vermelho e preto, vá até a Baixada e ajude a renascer o Furacão. Mais do que nunca, o Atlético precisa de todos nós!!!!

Primeiro turno na ponta do lápis

No primeiro turno do Campeonato Brasileiro, o Atlético em 19 rodadas conquistou cinco vitórias, sete empates e sofreu sete derrotas, marcando 29 gols e levando 28, saldo de um gol pró e aproveitamento de quase 39% dos pontos disputados.

Sob o comando do técnico Vadão, foram cinco jogos, com duas vitórias, um empate e duas derrotas (ambas dentro da Kyocera Arena). Já com Antônio Lopes no comando, foram 14 partidas, com três vitórias, seis empates e cinco derrotas, conquistando 15 dos 42 pontos disputados.

Apesar do baixo aproveitamento, vale lembrar que desde 2003, quando o Campeonato Brasileiro passou a ser disputado no sistema de pontos corridos, o Atlético sempre teve melhor campanha no returno. Usando o retrospecto, a torcida atleticana pode ter uma expectativa maior do que o time poderá fazer no segundo turno do certame. Outros fatores que podem alavancar a campanha do time são as chegadas de novos reforços, como Ramon e Antônio Carlos.

Veja agora alguns fatos prós e contras da campanha do Atlético, além de algumas curiosidades extras:

Prós:

– A vitória na estréia do campeonato serviu para cair o primeiro tabu: até o 6 a 3 em Florianópolis, o Furacão nunca havia batido o Figueirense em jogos válidos pelo Brasileirão. Antes disso, as equipes haviam se enfrentado 12 vezes, com seis empates e seis triunfos dos catarinenses;

– Na sétima rodada, o Atlético encerrou um jejum de quatro jogos sem vencer, mas também serviu como uma nova marca: bater enfim o Palmeiras no Palestra Itália. Vitória por 2 a 0;

– O placar de 2 a 1 contra o campeão mundial, o Internacional de Porto Alegre, na segunda rodada, acabou com a invencibilidade do time colorado frente ao Rubro-negro, que já durava dois anos (quatro jogos; dois pelo Brasileirão-05 e dois pelo Brasileirão-06);

– Antes dos trinta: quase um terço dos gols do Atlético (nove dos 29 marcados até aqui) saiu antes dos primeiros trinta minutos de jogo, sendo que três no mesmo jogo (na goleada frente ao Figueirense).

Contras:

– Um descuido de marcação aos 40 minutos do segundo tempo acabou com as esperanças de vitória do Atlético e serviu para manter um tabu: nunca ter vencido a equipe do Vasco da Gama em seus domínios. Os cariocas ganharam por 1 a 0, gol de Leandro Amaral;

– O Atlético foi a única equipe no primeiro turno a perder para o América em Natal: vitória de 2 a 1 do time potiguar, que conquistou apenas três dos seus dez pontos em casa nesta primeira metade de campeonato;

– Primeiro tempo impecável, segundo tempo desastroso. Assim pode-se resumir a partida entre Atlético e Sport, na Ilha do Retiro. O Furacão abriu 2 a 0 antes de ir para o vestiário, mas na segunda etapa os pernambucanos viraram para 3 a 2, e com isso mantiveram o tabu de nunca terem perdido para a equipa paranaense em Recife;

– Em jogada irregular do Cruzeiro, o Atlético viu a vitória escapar aos 48 minutos do segundo tempo, em plena Baixada: gol de Nenê, empate em 2 a 2 e bronca com a arbitragem;

– Últimos dez minutos fatais: Não importa se está no primeiro ou no segundo tempo, nos dez minutos finais o Atlético sofreu dez dos 28 gols contra no primeiro turno do Brasileiro;

– Medo do líder: as duas vezes que teve de encarar o então líder do campeonato, o Atlético não apenas perdeu, como não conseguiu marcar gol: diante de Botafogo (10ª rodada) e São Paulo (19ª rodada). Ambos os jogos acabaram 2 a 0 para o adversário.

Curiosidades:

– Jogando em casa no meio de semana, o Atlético ainda não perdeu no Brasileiro: foram duas vitórias e três empates;

– No comando da equipe nas cinco primeiras rodadas, Vadão segue com o treinador que mais vezes esteve à beira do gramado dando instruções para os atletas do Furacão: 74 jogos;

– Alan Bahia segue como o jogador que mais vezes vestiu a camisa do Atlético em jogos válidos pelo campeonato nacional: até hoje foram 149 partidas com o manto rubro-negro;

– Na era dos pontos corridos, este é o segundo pior aproveitamento de pontos, 38,59% , superado apenas pela campanha do primeiro turno de 2003, onde o aproveitamento foi de apenas 37,68% dos pontos disputados;

– Em 19 jogos, o Atlético usou 34 jogadores. Guilherme, com 18 aparições, foi quem mais entrou em campo, seguido por Danilo, com 17. Com menos presenças estão Viáfara, Chico e o recém-contratado Alessandro, que jogaram apenas uma única partida cada;

– Kyocera Arena: o maior público foi no jogo contra o Corinthians, com 9.989 torcedores presente ao empate em 2 a 2. A maior renda foi na vitória frente à equipe do Internacional, pelo placar de 2 a 1, no dia 19 de maio: R$ 225.940,00;

– Guilherme; Jancarlos, Danilo, Gustavo e Edno; Erandir, Alan Bahia, Evandro e Ferreira; Alex Mineiro e Dinei. Em se tratando de presenças, esse seria o time do primeiro turno. Porém, os onze listados acima jamais entraram em campo juntos;

– Indisciplinados: Ao término do primeiro turno, os jogadores do Furacão levaram até aqui 53 cartões amarelos e quatro vermelhos. Alex Mineiro e Edno, com quatro amarelos cada, são os mais indisciplinados. Danilo, Alex Mineiro, Nei e Claiton foram os atletas que tiveram de ir para o chuveiro mais cedo.



Últimas Notícias

Opinião

O Furacão voltou

Não podia ser num jogo qualquer… Nosso retorno para casa tinha que ser numa semi-final de Copa do Brasil, contra o badalado e protegido Flamengo,…

Sul-Americana

Confira como ir ao Uruguai

Logo após a classificação diante do Peñarol pelas semifinais da Sul-americana 2021, a enorme procura dos torcedores pelas passagens aéreas de Curitiba a Montevidéu acabou…