7 set 2007 - 19h58

"O Atlético tem um potencial enorme", diz Ney Franco

O técnico Ney Franco participou do programa Tá na Área, do SporTV, na noite desta sexta-feira. A atração durou uma hora. Ney Franco conversou com o apresentador Marcelo Barreto e com os comentaristas Roberto Assaf e Lúcio Castro. Boa parte das perguntas dirigidas ao técnico do Atlético foram sobre sua passagem pelo Flamengo.

Mesmo assim, Ney tratou de alguns temas relacionados ao Furacão. "Encaro como um desafio profissional e eu me sinto totalmente preparado para dirigir o Atlético", afirmou Ney Franco. As declarações mais importantes do treinador ocorreram no final do programa. Ele deixou no ar a possibilidade de poupar jogadores titulares para o jogo contra o Vasco, pela Copa Sul-Americana, na próxima quarta-feira. Como o Furacão precisa vencer por uma diferença grande para se classificar (três gols), Ney cogita não escalar alguns jogadores para que haja melhor recuperação física para o restante do Brasileiro.

No final de sua participação, Ney Franco revelou que já recebeu uma proposta de um time japonês para iniciar um trabalho em janeiro de 2008. Ele disse que as negociações estão adiantadas e existe a possibilidade de ele se transferir, já que seu compromisso com o Atlético vai até o início de dezembro. Por outro lado, Ney deixou claro que sua prioridade é continuar no futebol brasileiro e isso acontecerá caso receba uma proposta de renovar com o Furacão.

Confira todas as declarações do técnico no Tá na Área sobre o Atlético:

POTENCIAL
O Atlético tem um potencial enorme para trabalhar em uma situação melhor no Campeonato Brasileiro. A gente vem de duas vitórias consecutivas e a gente espera agora boas apresentações para somar pontos.

RESUMO
Eu estreei contra o Internacional, jogamos bem, mas foi uma partida em que o árbitro teve uma influência decisiva. Depois enfrentamos o Santos na Vila, o time fez um bom primeiro tempo e caiu no segundo. E aí vencemos o Atlético Mineiro e agora o Goiás. Depois do Fluminense, teremos dois jogos em casa, contra o Palmeiras e o Paraná. Nossa meta é sair definitivamente do rebaixamento nesses jogos.

FINAL DA TEMPORADA
A gente espera fechar o ano numa situação boa, eu como treinador, e o Atlético Paranaense como clube.

LINHA DE TRABALHO
Treinador ele tem uma linha de trabalho. Qualquer treinador escuta informações, mas você têm de seguir uma linha. Se você começa a errar, na quinta que você erra surge um desgaste.

CRÍTICAS E ELOGIOS
O treinador tem de estar preparado para enfrentar o stress do dia-a-dia. Eu gosto de assistir todos os programas, todos os jornais. Eu sei lidar com as críticas ou elogios.

POSIÇÃO DE FERREIRA
O Ferreira comigo no Atlético Paranaense é como o Renato Augusto no Flamengo. Algumas pessoas defendem que ele tem de jogar no meio-campo outras defendem que tem de ser no ataque. Mas ele joga muito bem nas duas.

NETINHO
O Netinho é um jogador mais de meio-de-campo, vejo bom potencial dele.

ATAQUE
Nos dois últimos jogos eu usei o Pedro Oldoni e o Ferreira e agora a gente tem a oportunidade de fazer o terceiro jogo consecutivo com esse ataque, que eu acho que pode render.

COPA SUL-AMERICANA
O primeiro jogo o Vasco foi muito bem, surpreendeu na Arena. A gente tem de estudar muito bem esse jogo, principalmente depois do jogo contra o Fluminense. É difícil conciliar as duas competições, há um desgaste muito grande. Temos de pensar antes no jogo contra o Fluminense. Há algumas decisões dentro do clube que não podem ser tomadas somente pelo treinador. A gente tem de estudar com carinho a partida contra o Vasco para que a gente não seja penalizado no Brasileiro.

SELEÇÃO BRASILEIRA
Primeiramente eu tenho de pensar em me manter como técnico de uma equipe da Série A do Brasileiro. Eu nunca fui de planejar muito o futuro. Mas quem sabe? Se um dia acontecer, espero estar preparado. Eu não tenho a ambição de trabalhar fora do Brasil. Tenho a ambição de trabalhar no Brasil, de preferência na Série A. O meu momento é de permanecer na elite do futebol brasileiro.

PROPOSTA DO JAPÃO
Eu tenho uma conversa bem adiantada para ir para o Japão no mês de janeiro. Meu vínculo com o Atlético termina no dia 2 de janeiro, após a última partida do Brasileiro. Mas logicamente que se até o final do Brasileiro houver uma renovação com o Atlético Paranaense, a minha idéia é ficar no futebol brasileiro, até para iniciar uma pré-temporada.

PROPOSTA IRRECUSÁVEL DO ATLÉTICO
Quando eu saí do Flamengo, eu tinha definido que ficaria até o final do ano sem trabalhar. Mas eu nunca poderia deixar passar uma oportunidade de trabalhar numa equipe do porte do Atlético Paranaense, com a estrutura que tem, que todos vocês conhecem e eu estou conhecendo agora na prática.



Últimas Notícias