23 set 2007 - 23h04

Petraglia participou do Esporte Show

Após a bela vitória no clássico deste domingo sobre o Paraná Clube, por 2 a 1, na Kyocera Arena, o presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, Mario Celso Petraglia, foi o convidado do programa Esporte Show, do Canal 21. Petraglia comentou a partida, falou sobre a torcida e até sobre o rival Coritiba.

Logo no início do programa, o apresentador Alphonse Voight questionou o presidente sobre o destaque do final de semana. E Petraglia respondeu elogiando a união dos jogadores atleticanos. “Agradeço a oportunidade de estar aqui, destaco o programa, depois os jogadores. Atribuo a eles nossa recuperação, ao fechamento do grupo. E também a nossa torcida, que realmente quando quer, quando se envolve, ajuda muito o nosso time”, disse.

Coritiba

No primeiro bloco, os integrantes comentaram a vitória do rival Coritiba sobre o Ceará, sábado, por 2 a 0. Quando o apresentador disse que o presidente do Conselho Deliberativo do Atlético também poderia comentar sobre o jogo do rival, Petraglia cutucou: “Não entendo de segunda divisão”. Mas logo depois afirmou que acha ruim a permanência do Coritiba na Série B. “Acho um absurdo o Coritiba estar na segunda divisão. O lugar do Coritiba é na primeira divisão. Falo isso abertamente”, declarou.

Ainda falando sobre o rival, Petraglia disse que o Rubro-negro e o alviverde subiram juntos em 95, fato que o Atlético deixou no passado, enquanto o Coxa voltou a vivê-lo. “Faz tanto tempo que já esquecemos. Nós dois subimos juntos no mesmo ano, mas nós esquecemos a segunda, o Coritiba voltou”, afirmou.

Clássico contra o Paraná Clube

“Ainda bem que erraram uma vez para nós. Porque oito jogos erraram contra. Claro, clássico é uma rivalidade muito grande. Mas o que importa são os três pontos”.

Campanha para sócios do interior do estado, de baixa renda e menores de idade

“Nós estamos devendo para os torcedores essa promessa, nosso sistema para atender o sócio ausente. O sócio de baixa renda deveria estar pronto, mas a confecção do software atrasou. Mas logo teremos uma campanha no ar para atender todo esse povo. Nós sabemos hoje que o Atlético tem torcedores no mundo inteiro, mas para isso precisamos que esse software fique pronto para que essa venda esteja à disposição pela Internet”.

Possibilidade dos três times grandes de Curitiba disputarem a Série A juntos

“Está invertida essa condição, essa escala de valores. No Brasil o que importa para a média nacional são os clubes do Rio e de São Paulo. Sobra um pouco para Minas, para o Rio Grande e para nos absolutamente nada. Três clubes da capital não teremos. Nesses últimos 10 anos tivemos pouco tempo juntos na primeira divisão. É impossível, se vocês entrarem na intimidade de um clube, para ver as dificuldades do mercado, os preços absurdos que custam treinadores e jogadores de futebol. Essa eterna discussão sobre o aumento do ingresso. A televisão não paga os custos mensais. Então temos que vender os nossos atletas para pagar as contas. É nessa estrutura que eu não vejo três clubes na primeira divisão. O Paraná Clube monta e desmonta times, criam fundos para que se invista e coloquem jogadores no Paraná. Sou contra tudo isso, todo mundo sabe. Eu vejo no futebol uma centralização cada vez maior, nosso orçamento é vinte vezes o do Paraná. Se nós pegarmos o orçamento do Chelsea, do Barcelona, é seis, sete vezes o orçamento do São Paulo. Então como faz o futebol com esses tipos de receita? Não é mais o romantismo de antigamente em todos os sentidos, dos técnicos, dos jogadores, dos dirigentes.”

Cotas da televisão e venda de atletas

"Você sabe quanto representa a renda da televisão? 20 a 25% no orçamento. Na venda de atletas o clube fatura 40% a 60%, se não houver venda, quebra o clube. Na Europa a bilheteria tem 40 a 45% de renda."

Revendo valores

“Nós estamos revendo, temos conversado muito internamente, sobre a política que o Atlético tomará daqui para frente. Temos que reconhecer que não tivemos o sucesso de vendas de sócio torcedor. Eu não concebo em uma cidade como Curitiba, com 3 milhões de habitantes, que não tenham 15 mil ou 20 mil atleticanos que não possam pagar 60 reais por mês. O Internacional tem um projeto para chegar a 100 mil sócios. Vamos analisar então Santa Catarina, o Criciúma tem 8 mil sócios, o Figueirense, 11mil.”

Não inclusão do Paraná no Clube dos 13

“Éramos amigos. Não é verdade que não ajudei o Paraná Clube. Eu levei uma carta a pedido do presidente do Paraná Clube, li em assembléia dos 13, mas nada disso serve para nada. Tudo que fiz na minha vida jamais me arrependi. Estou há 13 anos nesse projeto do nosso clube. Briguei com o sistema inteiro, todo mundo sabe. Agora o sistema que determina. O Paraná não foi excluído, ele não foi incluído. O que eles criaram com 13 clubes, há 20 anos. Vocês conhecem toda briga, inclusive chegamos a ser traídos pelo Coritiba. O Paraná estava conosco, mas nós queríamos continuar todos separados. Em 2000, a associção nos convidou e hoje são 20 clubes. Jamais o Paraná foi cogitado, eu sinto muito, mas é verdade. O único critério que o Clube dos 13 tem é não ter critérios.”

Camarote na Vila Capanema

“Eu comprei um camarote na Vila Capanema para ajudar o Paraná Clube. Por favor ou comprem de mim, ou fiquem com o meu camarote. Porque é impossível eu assistir jogo lá. Porque agridem até quando eu empresto o camarote a amigos, porque sabem que ele é meu.”

Ruptura com as diretorias do Coritiba e do Paraná Clube por causa da Copa do Mundo e de Onaireves Moura

“Vocês imaginam a indicação do Pinheirão para ser sede da Copa do Mundo? Veja o desgaste que isso me deu, e à cidade de Curitiba. Tive que sair pondo a cara a bater para aprovarem o óbvio. E depois com processos, com denúncias, eles se reuniram em uma churrascaria com toda essa gente que está à frente do futebol paranaense para comemorar uma denúncia que fariam a mim e à minha família, em um vídeo. Foram todos, a diretoria do Paraná e do Coritiba. O Onaireves mostrou o vídeo a todos, para mostrar que faria essa denúncia. Estavam lá todos, compartilhando com esse tipo de gente e assim não merecem nenhuma consideração. Nos encontramos em uma ocasião e eles vieram me cumprimentar, e eu não os cumprimentei.”

Patrimônio do Atlético

“Com o projeto da Kyocera Arena vamos ter um patrimônio de 150 milhões de dólares. Com 41 mil pessoas no estádio. Nosso centro de treinamentos é excelente. Vocês irão lá visitar e saberão que é verdade. Esse trabalho o Atlético fez sozinho, agora é cada um por si e Deus por todos. A guerra com todos os seus horrores, e quem procurou isso não fomos nós.”

Inauguração do Centro de Treinamentos e do lançamento do projeto da Kyocera Arena

“Já provamos o que fizemos pelo futebol. Hoje eu apareço e todos me dizem que sou arrogante e sou prepotente. Mas nos próximos dias vocês vão participar da inauguração do nosso Centro de Treinamentos e do lançamento do projeto da Kyocera Arena.”

Mudança na Federação Paranaense de Futebol não ajudou

“Não conseguiram. Porque os bruxos continuam lá. Não mudou absolutamente nada.”

Posicionamento do Atlético em relação à Federação Paranaense de Futebol

“Não sabemos ainda. Temos vários processos correndo para que seja esclarecido os problemas na Federação Paranaense de Futebol. Parte já foi julgado pelo STJD. Nós temos ainda a esfera judicial, tem crimes envolvidos que serão julgados pela Justiça Comum.”

Conclusão da Arena

“O Atlético já há muito tempo vêm se manifestando, transmitindo a sua voz sobre o seu site. É a nossa verdade e jamais foi dito ali, qualquer dificuldade. Pelo contrário. Eu te digo hoje pela revitalização que nós faremos. Nosso projeto inicial é de 1997. Não vamos tirar nenhum dinheiro do bolso e nenhum do torcedor. Os projetos estão praticamente em andamento. Contratamos uma empresa internacional para nos ajudar a buscar patrocinadores. Nós queremos patrocinadores e nós vamos vender nossos espaços e com esse dinheiro nós vamos concluir a nossa Arena.”

Confirmação da Vigliecca como responsável pelo projeto de conclusão do Caldeirão

Durante o programa foram exibidas em um telão imagens divulgadas pela Furacao.com do projeto da Vigliecca, para a conclusão da Kyocera Arena. Questionado sobre a veracidade dessas imagens, Petraglia tentou escapar ironicamente dizendo que estava sem óculos, mas estava usando e enfim confirmou que aquelas imagens eram sim oficiais. “São oficiais sim”.

União entre a diretoria, o time e a torcida

"Nunca fui contra trabalharmos dessa maneira. Sou acima de tudo um torcedor. Gosto da torcida se divertindo. Aumento o preço do ingresso porque é preciso. O futebol hoje está muito caro. O clube não tem dívidas porque está sacrificando a bola, o time. E isso que não gosto. Se tivéssemos uma boa bilheteria, teríamos as receitas que precisamos. Hoje, fiquei feliz de ver estádio cheio, fiquei feliz com a vitória, fiquei feliz que não me xingaram, mas não fiquei feliz com o borderô."

Tempo longe da mídia

“Passei algum tempo longe da mídia. Mas estarei à disposição dos veículos de comunicação.”

Vídeos



Últimas Notícias