2 nov 2007 - 10h50

Atlético divulga nota repudiando a violência gremista

As confusões que aconteceram antes, durante e após o jogo entre Atlético e Grêmio, na última quarta-feira, na Kyocera Arena, são atos que precisam ser repudiados e envergonham o futebol brasileiro. A afirmação parte da diretoria do Atlético Paranaense, que publicou no fim da tarde de ontem uma nota em seu site oficial lamentando os episódios e relatando com detalhes a versão atleticana para todos os incidentes ocorridos.

Segundo a nota do clube, o Atlético em momento algum estava se preparando para uma “guerra” no jogo e muito menos havia o sentimento de “vingança” pelos fatos lamentáveis ocorridos no primeiro turno. Esse tipo de comportamento e previsão era exclusividade gremista. “Durante toda a semana, quem premeditou confusão foi o Grêmio, através de seus dirigentes. Pediram observador da CBF, falaram aos quatro ventos em toda a imprensa que esperavam ser hostilizados pelo Atlético Paranaense. Nada disso aconteceu. O CAP sempre deixou claro, através de seus dirigentes, comissão técnica e jogadores que o que importava era a vitória, somar três pontos, mas jogando limpo, de maneira leal, pois acima de tudo há profissionais envolvidos, há famílias, há seres humanos que fazem parte do espetáculo. Desta forma, os atleticanos deixaram claro que o ocorrido dia 28 de julho no estádio Olímpico em Porto Alegre, quando o atacante Alex Mineiro e o meia Evandro foram hospitalizados, já havia sido superado”, diz o texto.

Na nota, o Atlético reafirma que recebeu toda a delegação gremista na Kyocera Arena, o mais moderno estádio de futebol do Brasil, de forma cordial e respeitosa, atitude comum a todos os demais adversários que vão à casa atleticana.

Para os dirigentes do Furacão, o Grêmio (que já estava preparado para um clima de guerra na Baixada) se descontrolou de vez quando viu em campo um futebol alegre, jogado com lealdade e não maldade. “O que de fato aconteceu foi um banho de bola do Atlético Paranaense. Isso sim descontrolou os gremistas que ficaram ainda mais descontrolados ao ouvir a massa atleticana gritar "olé" no estádio. Tanto é verdade que Tcheco foi expulso por total descontrole e criticado, inclusive, pelo seu técnico após a partida. "O Tcheco deixou a equipe na mão. Você é muito mais homem ficando lá dentro, agüentando as injustiças. Ele foi expulso, mas não foi o único a se perder dentro da partida. Houve outros jogadores que perderam a cabeça, mas o juiz soube administrar", declarou para a imprensa o sensato Mano Menezes”, afirma a nota.

Sobre a alegação gaúcha de que a delegação foi recebida com hostilidade, o Atlético classifica tal afirmação como covardia. “Não querem assumir seus erros e defeitos e tentam fugir pela tangente, se fazendo de coitadinhos e injustiçados… Dentro de campo, o Atlético Paranaense foi perfeito, venceu na bola e ainda precisou aguardar agressões dos gremistas. No final da partida, os jogadores do Grêmio, inconformados com a derrota, foram "tirar satisfações" com os atleticanos.”

Incidentes pós-jogo

A nota também ressalta os lamentáveis acontecimentos após o apito final do árbitro. Sobre a suposta agressão de seguranças do clube ao meia Tcheco, o Atlético reafirma que quem conteve o jogador foram os próprios seguranças do Grêmio – o clube inclusive divulgou imagens em seu site oficial para comprovar essa versão. O Atlético também lamentou a covarde agressão de Eduardo Costa ao volante Claiton, enquanto o capitão atleticano concedia entrevistas na zona mista do estádio.

O incidente ocorrido na quinta-feira pela manhã, no Aeroporto Afonso Pena, também mereceu destaque na nota do clube, que classificou como uma “infelicidade ocasional” o fato de Petraglia estar no aeroporto da cidade no mesmo instante em que os gaúchos voltavam para casa. “Os gremistas encontram com Petraglia no Aeroporto, em uma infelicidade ocasional, e partem para a agressão. Petraglia sozinho, aguardava para embarcar para São Paulo, quando foi agredido por dirigentes gremistas. Afinal de contas, pelo menos por aqui, não somos acostumados a andar com "gorilas" ao lado, já que o povo é mais civilizado. Por isso, Petraglia não tinha a companhia de segurança algum como dizem os gremistas. Mais uma vez, covardemente ofenderam e agrediram Petraglia e tentam se fazer de vítimas”.

Por fim, a diretoria atleticana classifica todos os incidentes protagonizados pelos gremistas como “choro de perdedor”. “Perderam no campo e também na dignidade, pois envergonharam sua torcida, envergonharam o futebol e envergonharam a si próprios quando não souberam aceitar a derrota e a brilhante vitória do Atlético Paranaense”, finaliza o texto.

Clique aqui e leia a nota oficial do Atlético na íntegra. O texto foi publicado no site oficial do clube.



Últimas Notícias