9 nov 2007 - 18h46

"Subir pra quê?", por Jones Rossi

Mais de 30 mil pessoas nos últimos jogos. Média de 14 mil no campeonato. Arrecadação beirando os R$ 500 mil nos últimos jogos. Há muito tempo que o Coritiba não vivia uma fase tão boa. Na última Copa Libertadores que disputou, em 2004, nem chegou perto destes números. Afinal de contas, vale ou não vale a pena subir para a Série A?

Depende. Perguntem ao Santa Cruz, ao América-RN e ao Marília. O primeiro, graças aos grandes gastos feitos na Série A em 2006, já voltou para a Segunda Divisão e caminha para a Terceira. O segundo subiu sem ter as mínimas condições e já estava praticamente rebaixado antes do fim do primeiro turno. Já o terceiro esteve na boca para subir algumas vezes nos últimos anos, mas o próprio presidente diz que a Série B, pelo menos para o seu time, é mais lucrativa que a Série A.

Nenhum dos três casos é o Coritiba. Ao cair, nunca esteve ameaçado pela Terceira Divisão. Na Primeira não deverá repetir o melancólico América-RN. E a Segunda só foi lucrativa pela perspectiva de subir. Por isso a torcida foi. Jamais, para o Coritiba, será mais lucrativo ficar na Série B.

Mas chegou a hora de decidir o que o Coritiba quer na A. Agora ele voltará a ter seu desempenho comparado diretamente aos rivais. Não haverá lua de mel se perder para o Paraná Clube (que não vai cair) e ao Atlético-PR, seu grande rival. Isto, porém, nem é o mais importante. O Coritiba se apequenou nacionalmente. Na prática, seus resultados nos últimos anos se equivalem aos do Juventude.

Enquanto o Atlético criou rivalidades extra-estaduais contra Fluminense, Vasco, São Paulo, Santos e Grêmio, o Coritiba e os coxa-brancas se especializaram em torcer para estes times contra o Atlético. A rivalidade estadual contra o Atlético vinha arrefecendo devido ao período sem clássicos entre os dois times. Uma manjada jogada de marketing reavivou a rivalidade que nos campos estava em estado latente. Nada mais que uma continuação da política da administração Gionédis, que busca manter a grandeza do Coritiba mantendo a rivalidade com o Atlético viva.

Resta ao Coxa, agora, passada a euforia da ascensão, decidir o que quer ser na Série A: rival do Atlético ou um grande clube.

PS: Maior sinal de como o Coxa virou um time inofensivo nos últimos anos é esta nota do Grêmio parabenizando pela conquista da vaga na Série A. O time serviu apenas como objeto para provocação barata ao Atlético. Se o Coritiba ganhasse regularmente dos grandes clubes jamais seria tão efusivamente saudado por um deles.

Publicado originalmente no De Primeira.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Vale vaga na final

Depois do empate em dois gols entre Athletico e Flamengo pela partida de ida das semifinais da Copa do Brasil 2021, as equipes tiveram resultados…

Brasileiro

Cuidado!

  Foco na competição: No Brasileirão o Athletico ainda tem 11 jogos para disputar, o equivalente 33 pontos. Seis jogos em casa, cinco jogos fora.…