O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
13 mar 2008 - 14h29

Parabéns, Rogério Andrade!

Àqueles que freqüentam este site desde há tempos, vamos relembrar um pouco. Fui médico do Esporte Clube Pinheiros desde o ano de 1973, como auxiliar. Em 1974, fui convidado para assumir o Futebol Profissional, em substiuição ao Dr. Balão (falecido, mas um dos melhores, junto ao Thiele), que foi para o Ervilha. Em 1975, após ter ganho a “Chuteira de Ouro” (meu inesquecível amigo Costa Lima), fui convidado para auxiliar o Balão no ervilha, ganhando três vezes mais. Não aceitei e não me arrependo.

Posteriormente, fui trabalhar no Colorado, a convite do meu primo Joaquim Cirino dos Santos. Participei da “Sele Boca”, onde só tinha “fera” (Torino, Caldeira, Edu, Marciano, Tyrson, Bira etc).

Após o lamentável acontecimento com o atleta Valtencir (em Maringá) e posteriormente com o Paulo Roberto (no “puxadinho”), depois de muitas brigas, resolvi parar…

A ambulância no eEstádio veio após essas rememoráveis brigas.

O porquê destas recordações?

Nós (fora do gramado) enxergamos o jogo completamente diferente daqueles que estão no nível do gramado. Quando possível, assista um tempo na Superior e outro na Inferior: é como se estivéssemos em Estádios diferentes.

E, então, imagine a visão (do time) dentro do vestiário, convivendo com as “feras” no dia a dia, você (como Doutor, perante os atletas) escutando tudo o que se possa imaginar. Muitas vezes, inclusive, participando nos problemas da familia do atleta.

Pois bem!? Venho alertando, freqüentemente, que algo “estranho” ronda o CT do Caju… Hoje, o nosso grande e valoroso Rogério descreve exatamente o que possa estar ocorrendo…

E, se verdade for (?), acostumem-se… Nunca teremos uma “família de verdade”, teremos sim um “trampolim” onde o nosso jogador espera a qualquer momento um sacolejo mais forte e possa deixar o CT e a Arena para o passado…

Em tempo: sempre fui atleticano, mesmo trabalhando nos co-irmãos. Criei-me na Getúlio Vargas, junto com os Gottardi. Cheguei a treinar na velha Baixada.

E já me ofereci (gratuitamente) para participar do Departamento Médico do Furacão. Sem resposta. Sequer fui convidado para conhecer as fenomenais estruturas do CT.

Mas não se preocupem, atleticanos, acabamos de contratar um baita lateral-direito (como é o nome mesmo?), renovamos com mais algumas revelações (Douglão, Carlão, Foguinho, Pimba etc.)

E, o mais importante, já ultrapassamos a barreira dos 7.000 (sete mil) associados.

E, para nossa felicidade, o jogo de domingo será às 18 h (já não teremos o calorão da tarde!?)

Não precisa ser campeão… Basta ser atleticano!



Últimas Notícias

Brasileirão A1

Até empatar!

Pela nona rodada do Brasileirão, na Baixada, Athletico 1 x 1 Anderson Daronco. Como já esperado, o jogo seria bastante brigado e equilibrado. O desequilíbrio…

Brasileirão A1

Pra espantar a zica

Pela oitava rodada do Brasileirão, na Baixada, Athletico 3 x 1 Criciúma. Precisando se recuperar das últimas péssimas atuações, o Athletico foi a campo pressionado.…

Opinião

O paradoxo de Cuca

Há motivos para se gostar de Cuca, não necessariamente pelo o que tem feito aqui, mas pelo seu histórico vencedor, estando claramente na prateleira de…

Brasileirão A1

Mais do mesmo…

Pela sétima rodada do Brasileirão, no Presidente Vargas, Fortaleza 1 x 0 Athletico. Se a dificuldade técnica do time do Athletico já era esperada para…