O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
11 abr 2008 - 12h32

Chatice sem fim

O mais fechado do país. O mais antipático, o mais arrogante, o mais pretensioso. A imagem do Atlético travestido de Caparanense é a de uma agremiação que se confunde com o seu dono. Algo parecido aconteceu com o Vasco, que era da Gama e se transformou no Vasco do Eurico – a bela história do clube de origem lusitana se apagou nos últimos anos, embaçada pelas estripulias do cartola polêmico.

Por aqui, temos novidade. E ela vem sob forma de um edital frio e burocrático: as rádios terão que pagar para transmitir os jogos do nosso time. É a “tendência do mercado”, dirão os arautos da modernidade. Pode ser. Vivemos num tempo em que todos querem a propriedade de alguma coisa. E para cada coisa tem-se um preço. Pagamos para ver, pagamos para ser, pagamos para ter. Por que não pagaríamos para falar? Ou para ouvir? Simples, ora. Visionários, técnicos e executivos com certificado de pós-graduação decretaram o valor da nossa marca. Pouco importa se alguém se interessa por ela. Brilhante!

A comunicação pelo rádio fez com que os clubes de São Paulo ganhassem a preferência da população do Estado, desde muitas décadas atrás. Sobrou espaço para os gaúchos, bairristas convictos, em uma ou outra região. A Capital, com o seu trio de ferro, permanece sozinha. Sua influência mal chega às praias, que estão logo ali, a uma centena de quilômetros. Mudar essa distribuição que nos coloca na rabeira das paixões não é tarefa fácil. Vale a pena, então, a briga que se anuncia?

Restringir o trabalho da imprensa, unilateralmente, sem nenhum debate prévio, só vai aumentar a rejeição pelo Caparanaense, um sinônimo de chatice. Estamos, cada vez mais, submetidos a proibições, cadastros e taxas. Quem é que gosta disso? Quem, a não ser nós, que já estamos perdidos de amor pelo Atlético, vai se importar com a nossa existência?

A medida é estranha. A cartolagem quer a Copa de 2014 na Baixada, o que é legítimo. E protesta contra a falta de apoio, contra os boicotes, contra o caráter autofágico dos paranaenses. Pode até ter um pouco de razão. Mas, ao colocar o clube no isolamento, perde o direito de reclamar.

P.S.: Da minha parte, não abro mão do radinho de pilha.



Últimas Notícias

Brasileirão A1

Aleluia!

Pela rodada 13 do Brasileirão, no Barracão, Vitória 0 x 1 Athletico. Vindo de uma sequência horrorosa de resultados o Athletico precisava se recuperar no…