O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
29 abr 2008 - 13h05

Lamentável!

Antes de mais nada, sou atleticano, sim. Fiquei triste com a derrota de ontem? Sim. Mas o que mais me entristeceu foi a atitude de alguns desmiolados, que vão para um lugar de festa e alegria para fazer confusão e levar pânico a quem não quer nada além de curtir o espetáculo.

Sou curitibano e atleticano desde que nasci, mas, por força do destino, há 24 anos estou longe de minha terra natal. Lembro nitidamente da última vez que estive no Couto Pereira. Foi em 1983 para prestigiar e empurrar o Furacão no jogo mais emocionante da história do Clube (na minha modesta opinião): aquele memorável Atlético X Flamengo.

Naquele dia, o que vimos foi a mais simples demonstração de amor por uma equipe de futebol, afinal, todos estávamos lá para curtir, não para brigar.

Ontem, o que aconteceu foi, para alguns, o contrário. Ao invés de ir para uma festa, foram para uma guerra. É inconcebível que em pleno século 21, em uma das melhores cidades do país existam seres que se dizem racionais, sim, pois o que se viu em uma parte das arquibancadas foi a animalização do ser humano que, por motivos mais do que fúteis, partiram para a briga.

O evento, que deveria ser uma festa, se transformou, em alguns momentos, em guerra. Aí eu pergunto: o que aqueles irresponsáveis ganharam com suas atitudes? Nada! Um jogo de futebol é ganho pelos atletas, não pelos torcedores. Nossa função é vibrar, torcer, gritar, chorar, nunca agredir desmedidamente.

Peço licença para expor um fato ocorrido no campeonato catarinense deste ano. Um dos atuais finalistas da competição, o Criciúma, teve um jogo em sua ‘casa’ onde, da mesma forma, ocorreu um caso de pura animalização. Uma bomba foi jogada em direção à torcida local e um torcedor, que nada mais queria senão torcer por seu time, teve sua mão amputada em virtude da detonação do artefato.

Aí eu pergunto novamente: o que se ganhou com isso?

Ontem, o mesmo Criciúma, perdeu, como o Furacão também, o primeiro jogo da final fora de ‘casa’. Decide o campeonato em seus domínios, como nós. Agora, o coitado do torcedor terá sua mão de volta caso o Criciúma vença? Não, claro que não.

Então que fique o alerta. Que as diretorias dos clubes, Atlético e Coritiba, tomem as devidas providências para que o mesmo não ocorra no próximo jogo.

Não estou defendendo nenhum dos dois lados, uma vez que ambos erraram, mas estou defendendo a paz e a alegria de torcer pelo seu time do coração sem problemas.

E que vença o melhor, pois nada está concluído.

Dá-lhe Furacão!!



Últimas Notícias

Sul-Americana

Tá ruim mas tá bom

Pela repescagem (ou playoff) da Sul-Americana, no Paraguai, Cerro Porteño 1 x 1 Athletico. No segundo jogo de Martin Varini no comando técnico do Athletico,…