12 mar 2009 - 20h20

Ataque: aposta no entrosamento

“Eu quero ver gol, eu quero ver gol, não precisa ser de placa, eu quero ver gol”. O desejo contido na música da banda carioca O Rappa faz parte dos sonhos e apelos de todas as torcidas do país. Para finalizar com “chave de ouro” nossa série de reportagens especiais sobre o elenco atleticano, nada melhor do que analisar os atacantes, jogadores responsáveis pelo momento mais importante e emocionante do futebol: o gol!

Os atacantes de Geninho – Após a tempestade vem a calmaria

Desde que reassumiu o Furacão, no último mês de setembro, o treinador Geninho sempre deixou clara sua insatisfação e preocupação com o rendimento do ataque atleticano. Responsáveis diretos pela pífia campanha do Rubro-Negro no Campeonato Brasileiro 2008, tendo marcado apenas 19 gols na competição, os jogadores de ataque só desencantaram na reta final da competição, quando o salvador Rafael Moura viveu momentos de inspiração e tirou o Atlético da complicada situação que se encontrava.

Apesar da fuga do rebaixamneto, o fraco desempenho dos atacantes do Furacão, durante o Brasileiro, deixou claro para o técnico Geninho, para a diretoria e, principalmente, para a torcida atleticana que o setor seria o grande problema a ser resolvido para a temporada 2009. Para tentar suprir as necessidades ofensivas da equipe, a diretoria atleticana contratou os atacantes Lima, xodó da torcida rubro-negra, e Jorge Preá, envolvido na negociação do zagueiro Danilo com o Palmeiras.

Mesmo com a chegada dos dois novos atletas, o treinador Geninho resolver manter e dar créditos, neste início de ano, para a dupla de ataque que terminou a temporada de 2008: Rafael Moura e Júlio César. Após a realização de 13 partidas oficiais em 2009, a aposta do técnico atleticano parece ter dado certo e a equipe já conseguiu marcar 27 gols, sendo 24 no Campeonato Paranaense e 3 na Copa do Brasil, com 14 deles anotados pelos atacantes do elenco.

Após uma passagem apagada pelo futebol francês, Rafael Moura chegou ao Furacão com o objetivo de reerguer sua carreira e voltar a marcar os gols que sempre fizeram parte de sua rotina antes da transferência para a Europa. Mesclando muita raça e oportunismo, o jogador foi um dos grandes responsáveis por livrar o Atlético do fantasma da segunda divisão no Campeonato Brasileiro ao marcar gols decisivos na reta final da competição. Da mesma forma que acabou o ano de 2008, trombando, lutando e balançando as redes, o atacante começou o ano de 2009. Hoje, o atleta é o artilheiro do Campeonato Paranaense, tendo marcado sete gols em nove partidas e alçancando a excelente marca de 17 gols em 25 jogos com a camisa do Atlético, atingindo uma média de 0, 68 gols por partida.

Já o atacante Júlio César, tem vivido altos e baixos em sua passagem pelo rubro-negro. Quando chegou no Furacão, em maio de 2008, o jogador contava com a artilharia da segunda divisão do Campeonato Português em seu currículo e “encantou” a torcida atleticana com suas primeiras atuações, mas aos poucos, prejudicado por uma lesão, o jogador foi perdendo rendimento e, consequentemente, a moral com a torcida. Neste ano, Júlio César tem repetido a irregularidade, o que fez sua posição de titular ser contestada em diversas oportunidades. Apesar desses receios, o atacante pernambucano, que aposta em jogadas de velocidade e com muito vigor físico, conseguiu marcar três belos gols na temporada e continuou à frente de seus concorrentes por uma vaga na equipe.

Os outros: Em busca de novas oportunidades

Apesar de não surpreender na escalação da dupla de ataque titular, Geninho deu chances e testou os outros quatro atacantes que integram o eleco principal do rubro-negro (Lima, Wallyson, Kamali e Jorge Preá).

Um dos maiores ídolos recentes da história atleticana, o atacante Lima foi o grande artilheiro atleticano na temporada de 2005, contribuindo diretamente para a conquista do título estadual e do vice-campeonato da Copa Libertadores da América daquele ano. Após se destacar na temporada de 2005, Lima deixou o rubro-negro para jogar no futebol da Arábia Saudita e depois defendeu, sem destaque, clubes como São Paulo, Botafogo, Corinthians e Figueirense. Seguindo a velha história do “o bom filho à casa torna ”, Lima retornou ao Atlético para tentar reescrever sua trajetória de sucesso. Mesmo com toda a confiança depositada em seu futebol, o jogador ainda não rendeu o esperado pela diretoria, que apostou na recuperação do atleta, e, principalmente, pela torcida atleticana que sempre faz questão de apoiá-lo efusivamente. Dando sinais claros de falta de ritmo e com atuações discretas, apesar de ter marcado três gols no estadual, o jogador, atualmente, pode ser considerado reserva imediato de Rafael Moura.

Idolatrado pela torcida, Lima não conseguiu convencer Geninho [foto: Giuliano Gomes]

Emprestado pelo Palmeiras, o atacante Jorge Preá chegou ao Furacão como uma verdadeira incógnita e assim permanece até hoje. Após atuar em algumas partidas do estadual e na Copa do Brasil, o atleta não deu motivos para que o técnico Geninho continue apostando em sua escalação. Já o jovem Wallyson, de 19 anos, chegou ao Furacão no início de 2008 como esperança de gols. Após uma lesão e um longo período passando por um trabalho intenso de fortalecimento muscular, o atacante voltou a integrar o elenco principal atleticano neste ano e recebeu uma oportunidade de jogar como titular na partida contra o Iguaçu, em União da Vitória. Durante o tempo que permaneceu em campo, Wallyson demonstrou qualidade e muito provavelmente brigará por uma vaga na equipe titular durante a temporada.

Para finalizar o período de testes, o treinador Geninho resolveu dar uma oportunidade para a contratação mais exótica e marqueteira da história atleticana, o árabe Abdullah Al Kamali. Após um ano na capital paranaense e algumas partidas realizadas pela equipe B e pelo time de juniores do Atlético, Kamali “explodiu” a torcida atleticana ao entrar no decorrer da partida contra o Londrina. Apesar de demosntrar muita vontade em campo, o árabe sofre com a falta de técnica comum nos atletas de seu país de origem e deverá concluir seu “estágio” em solo brasileiro nos próximos meses.

Confira abaixo declarações de torcedores atleticanos extraídas do Fórum Furacao.com sobre os atacantes do elenco:

“Ele erra muito, mas é um dos únicos que tenta uma jogada individual e tem mostrado que dribla bem. Pelos últimos jogos ele tem sim que ser mantido como titular”. Fernando CAP sobre Júlio César.

“Uma coisa que eu gostei é que o cara é humilde, sabia que estava mal, que os gols não estavam saindo e dava razão para a torcida. Pode ser que esteja se recuperando. Pela humildade, eu torço por ele”. RobertoB sobre Júlio César.

“Esse piá é bom de bola. Só não vê quem não quer”. Zan sobre Wallyson.

“Tem que ser titular no próximo jogo. Acorda Geninho”. Ji Salles sobre Wallyson.

“Pode não ser aquele jogador ou, ainda, não aquele de que se esperava tanto. Mas, verdade seja dita, em 60 ou 70 minutos que jogou, mostrou mais eficiência que todos os que passaram por ali nos últimos dez ou quinze jogos. Só por isso, vale a condição de compor o grupo. Quem sabe até uma nova chance na titularidade”. RMFilho sobre Wallyson.

“Não serve. Não mostrou nada, nem vontade, nem velocidade e nem coisa nenhuma”. Maquibr sobre Jorge Preá.

“Como já venho dizendo há tempos…. HORRÍVEL”. Celso Lima sobre Jorge Preá.

“Ontem (partida contra o Londrina), foi o jogo que faltava pra comprovar que o Lima está muito longe de ser o mesmo de 2005. Pra mim, nem no banco fica, acho que o Walysson joga mais que ele, fácil. Também gostaria de ver o Marcinho jogando na frente, mas o problema é que o Lima ainda tem moral com a torcida pelo que fez no passado, só pode ser este o motivo para ele entrar como titular. Não jogou absolutamente nada, perdeu um gol feito porque não olhou antes de chutar em cima do zagueiro e quase perdeu outro gol sozinho na cara do goleiro, só fez pq o goleirinho aceitou. Acho que não vale a pena renovar o contrato em abril”. Trinka Kranius sobre Lima.

“Lima é nosso melhor atacante”. Eduardo sobre Lima.

“Eu torço muito, mas muito mesmo pra que o Lima bote fogo na minha língua, e na de todos que o estão criticando. Infelizmente, por enquanto não vejo como ele conseguirá fazer isso”. Fabim sobre Lima.

“É difícil não gostar do cara. Tem raça e faz gols. Querem mais o que de um atacante?”. André Vinícius sobre Rafael Moura.

“O afael Mouranão é um primor tecnicamente e todo mundo aqui sabe disso. Mas é voluntarioso, corre, luta, é bom fisicamente, cabeceia bem, se coloca bem, faz gols…É bastante útil, realmente, as vezes ele tenta fazer coisas que ninguém entende, mas faz parte. O que importa é ele colocar a bola na rede, como tem feito”. Stefano Sartori sobre Rafael Moura.

“Gosto muito dele, tanto como matador lá na frente quanto pela vontade que demostrta. Briga o jogo inteiro, não pode sair de jeito nenhum”. Fausto sobre Rafael Moura.

“A parte mais divertida do jogo (contra o Londrina) foi a entrada dele, carrinho no cara e cartão amarelo. Na próxima tem que entrar antes pra ver se ele joga futebol mesmo”. La Markowicz sobre Kamali.

“Dizem que quando chamaram o Kamali para entrar no jogo, o Geninho se impressionou com a reação da torcida. Parecia um gol no estádio”. Sun Tzu sobre Kamali.

Desempenho dos atacantes

Rafael Martiniano de Miranda Moura
Belo Horizonte (MG), 23/05/1983
Contrato até 01/07/2010

Temporada 2009:
Jogos: 11
Gols: 8

Júlio César do Nascimento
Recife (PE), 20/10/1979
Contrato até 31/12/2010

Temporada 2009:
Jogos: 11
Gols: 3

Wallyson Ricardo Maciel Monteiro
Macaíba (RN), 17/10/1988
Contrato até 02/09/2010

Temporada 2009:
Jogos: 1
Gols: 0

Aparecido Francisco Lima
Alvorada do Sul (PR), 02/11/1981
Contrato até 07/05/2009

Temporada 2009:
Jogos: 13
Gols: 3

Jorge Preá
Jorge Arnaldo Pereira
São Paulo (SP), 10/01/1984
Contrato até 31/12/2009

Temporada 2009:
Jogos: 4
Gols: 0

Abdullah Ali Mohammad Ali Kamali
Dubai (Emirados Árabes Unidos), 09/12/1989
Contrato até 17/08/2009

Temporada 2009:
Jogos: 1
Gols: 0



Últimas Notícias