7 jul 2009 - 14h14

A voz do povo

A torcida do Atlético é quase unânime: o time precisa de reforços para o restante da temporada. Levantamento feito pela Furacao.com com internautas aponta que 97% dos 16.824 respondentes acreditam que o Atlético ainda precisa de reforços para este Campeonato Brasileiro. No entanto, as contratações parecem estar paralisadas – pelo menos por enquanto.

O meia Paulo Baier e o atacante Eduardo, apresentados há mais de um mês, foram os últimos reforços atleticanos. Logo que assumiu o comando do clube, o técnico Waldemar Lemos afirmou que iria analisar o elenco e implantar uma nova metodologia – sem pedir reforços em um primeiro momento. “O grande reforço é implantar o nosso trabalho. Depois, se houver necessidade e possibilidade, podemos sugerir algo. A gente confia num trabalho diferenciado e é o que estamos implantando aqui”, afirmou o treinador na época. O presidente Marcos Malucelli reiterou que era necessário aguardar a adaptação dos novos jogadores antes de voltar ao mercado: "Agora nós temos que ver como é que o time vai reagir. Se houver necessidade e o time não reagir, teremos que procurar reforçar. Se o time reagir, ninguém falará em reforços. Isso faz parte do futebol. Se você perder, é o que basta para que vejam defeitos em tudo e em todos".

Waldemar comandou o Atlético em quatro partidas, obtendo duas vitórias, um empate e uma derrota. O time esboçou uma reação, mas voltou a cair para a zona de rebaixamento e tem hoje a pior defesa do campeonato. Paulo Baier se firmou no time titular, mas o outro reforço, Eduardo, pouco jogou. O fato é que a opinião dos torcedores é de que o clube precisa de reforços para outras posições, especialmente para o sistema defensivo.

Na visão dos colunistas da Furacao.com Juarez Villela Filho e Patrícia Bahr, o elenco atleticano precisa de jogadores de maior qualidade. “Num campeonato longo como o Brasileiro, a força do elenco sempre faz a diferença. Hoje temos um time ruim e um elenco fraco. Isso explica a péssima campanha que protagonizamos”, explica Patrícia. Para Juarez, o Furacão precisa de reforços em todos os setores. “O Atlético carece de reforços em todos os setores, e isso não é hoje. A base é a mesma do ano passado e não entendi por que foi mantida. Difícil escolher um setor, mas necessitamos de um homem gol e é lá que eu colocaria o principal reforço".

Patrícia complementa lembrando que é importante contratar jogadores de qualidade. “Precisamos no mínimo de um meia-atacante e um atacante artilheiro – essas, peças para chegarem para vestir a camisa de titular no mesmo dia. E além de contratar é importante ressaltar: não adianta ir no mercado e contratar por contratar. Na situação que nos encontramos, não há tempo para apostas, testes, promessas”, declara.

Negociações

Apesar do clamor da torcida por reforços, o Atlético não sinaliza a intenção de promover contratações. Nas últimas semanas, a imprensa especulou sobre o interesse do clube no atacante Alex Mineiro, que deseja deixar o Grêmio, e em contratar um goleiro. Porém, o suposto interesse não se converteu em medidas práticas.

Nesta semana, o técnico Waldemar Lemos descartou a urgência por reforços. Na opinião dele, o mais importante é intensificar o trabalho para poder aproveitar melhor os jogadores que estão no clube, especialmente aqueles que não vêm jogando por estarem se recuperando de lesão. "Enquanto a gente ganhava os jogos não havia necessidade de novos jogadores. Temos que acreditar no nosso trabalho e essa é a maneira de continuar. Temos menos de 3 semanas trabalhando e acho que aos poucos nós vamos vendo. E dentro de casa com os novos jogadores que estão vindo do departamento médico vamos melhorar a produção", disse Lemos.

Reforços de 2009

Três dos nove jogadores contratados neste ano começaram a última partida do Atlético, contra o Grêmio, pelo Campeonato Brasileiro. Contudo, o volante Rafael Miranda substituiu Valencia, suspenso, e Marcinho foi deslocado para o ataque, onde deve disputar a posição com Wallyson, ainda machucado. Dos outros seis jogadores, três já não fazem mais parte do elenco – os atacantes Jorge Preá, devolvido ao Palmeiras, e Lima, que não renovou o contrato, e o volante Jairo, que rescindiu o contrato –, um jogou apenas alguns minutos (Eduardo) e outro nem sequer estreou (o meia argentino Rodrigo Díaz).

Dos jogadores que ainda compõem o grupo, os que mais jogaram foram os meia-atacantes Marcinho e Wesley, com 29 e 12 jogos, respectivamente. Também foram os únicos que marcaram gols: Marcinho marcou sete vezes e Wesley, uma. Apesar de serem utilizados pelos treinadores, os dois jogadores não são unanimidades para a torcida. “[Contra o Palmeiras, Marcinho] mostrou que pode evoluir, ao meu ver, ele se movimentou melhor, acertou mais passes e até mesmo chegou a buscar um pouco de jogo”, opinou o forunista da Furacao.com Felipe Stremel; indo contra o comentário do também forunista gersonlugera: “Outro que não faz nada a muito tempo, se é que alguma vez fez algo”. A divergência acontece também no caso de Wesley: “Esse tá na lista dos que nunca deviam ter vindo. É muita ruindade”, escreveu maquibr no dia 7 de junho; enquanto Coelho777 aponta que ele pode compor o elenco: “Mais uma vez achei que entrou e jogou bem, deu movimentação no ataque e roubou algumas bolas. É um jogador útil no elenco”, escreveu.



Últimas Notícias

Fala, Atleticano

Jogo da vida

Por curiosidade, fui verificar qual a possibilidade da queda do CAP para a segunda divisão, e apresentou 16.4%, preocupante em vista que estamos num bolo…

Fala, Atleticano

Flertando com a ZR

Como já disse, estou feliz por ser Bicampeão Sulamericano e estar na final do Copa do Brasil, mas, deste jeito não dá. Ontem mais uma…