17 jul 2009 - 18h21

Atletiba marcará o reencontro de "irmãos" Waldemar e René

Poucas vezes um clássico Atletiba reuniu amigos tão próximos trabalhando como técnicos de Atlético e Coritiba. No passado recente, por muito pouco não houve um confronto familiar. Antonio Lopes dirigia o Atlético em 2005, enquanto seu filho Lopes Júnior trabalhava no Coxa. Porém, o Furacão acabou demitindo Lopes antes do Atletiba e o esperado confronto familiar não ocorreu.

No próximo domingo, dois amigos muito próximos estarão em lados opostos. Waldemar Lemos de Oliveira, do Atlético, e René Simões, do Coritiba, não escondem a forte amizade. Os dois se conhecem há mais de vinte anos. Foram apresentados pelo irmão mais velho de Waldemar, o também técnico Oswaldo de Oliveira. A convite de René, Waldemar Lemos iniciou sua carreira no futebol profissional, compondo a comissão técnica do Mesquista. "Ele começou trabalhando comigo em 1984, é um treinador extraordinário, um cara que consegue ir dentro do jogador e fazer o jogador dar 100%", elogiou René Simões durante esta semana.

"Comecei a trabalhar com ele, em 1985. Foi o meu primeiro trabalho como profissional de futebol, na comissão técnica. Foi no Mesquita, no Rio de Janeiro, na segunda divisão. Foi um dos trabalhos mais difíceis e mais bonitos da minha vida, e tenho certeza que da dele também, e das nossas famílias também. Essa equipe foi classificada para a primeira divisão do Rio de Janeiro em 1985", lembrou Waldemar na entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira no CT do Caju.

A relação profissional virou pessoal e hoje as famílias Oliveira e Simões cultivam a amizade. "Eu só tenho a agradecer a ele. Uma amizade muito boa, nossas filhas têm amizade, nossas esposas têm amizade, é uma coisa muito antiga, muito legal", completou o técnico rubro-negro.

Antes de dirigir o Atlético, Waldemar trabalhou no Harbour View, da Jamaica, e no Náutico. Para os dois clubes, foi indicado por René Simões. "É uma coisa de irmão. Eu o considero muito, ajudou muito na minha vida, agradeço a tudo o que eu tenho na vida profissional a ele e algumas coisas que ele me ajudou na vida também. Agradeço demais", disse.

Repetição

Perguntado por um repórter sobre de que maneira usaria seu conhecimento sobre René Simões para ajudar o Atlético, Waldemar deu um sorriso: "Ah, isso eu não posso falar".

De todo modo, na última vez em que se enfrentaram, o atleticano levou a melhor, vencendo o jogo por 3 a 2. "Nós já tivemos outra oportunidade, eu trabalhando no Paulista e ele no Coritiba, jogamos contra lá em São Paulo e foi um ótimo jogo, um belo jogo, espero que aconteça isso no domingo. Nossa amizade é muito forte, vai continuar sempre, de uma maneira ou de outra", garantiu.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…