2 set 2010 - 0h46

Autor de gol, Chico foi aplaudido pelos torcedores

Depois de uma semana agitada, quando recusou transferência para o Real Betis, da Espanha, o volante Chico teve uma atuação de destaque na noite desta quarta-feira, quando o Atlético derrotou o Ceará por 2 a 1, na Arena da Baixada. E mais: foi dele o segundo gol atleticano, aos 28 minutos do segundo tempo. Após cobrança de escanteio de Branquinho, a bola sobrou quase sem ângulo para o jovem volante que, mesmo marcado pelo zagueiro fez o giro e chutou forte e para o alto, incendiando a torcida.

Ao final da partida, Chico concedeu coletiva à imprensa e aproveitou para desabafar sobre algumas críticas em relação à suposta transferência para o time espanhol, que acabou não se concretizando no começo desta semana. “A partir do momento que decidi ficar no Atlético eu adquiri uma responsabilidade ainda maior. Escutei muita coisa errada e muita besteira nos últimos dias. Antes de ser jogador sou ser humano e a gente sente isso. Chegaram a falar que eu só penso em dinheiro, que quis prejudicar o Atlético e tudo mais. Fui criado na base, faz sete anos que estou no clube e graças a Deus ajudei a equipe e fui coroado com o gol. Sempre terei vontade e determinação, isso nunca vai faltar da minha parte”, desabafou.

Revelado nas categorias de base do Rubro-Negro e figurando na equipe principal desde 2006, Chico chegou a 134 jogos pelo clube e marcou seu décimo gol jogando com a camisa rubro-negra. A respeito da partida, Chico comentou sobre as mudanças realizadas pelo técnico Carpegiani durante o intervalo de jogo. “Antes de mais nada precisamos ver que do outro lado também tem a equipe adversária, o Ceará está na nossa frente na tabela e é um time qualificado. Mas jogando em casa temos que nos impor e honrar a camisa, é isso que a torcida pede e quer e também é o que nós queremos. O professor mudou o esquema, eu e o Deivid estávamos de volante, com cinco minutos ele me passou para zagueiro e, no segundo tempo, colocou para a gente marcar mais no meio e usar as pontas. O Guerrón e o Nieto entraram muito bem e facilitaram para nós”, apontou.

Por fim, o volante atleticano enalteceu a regularidade da equipe, que agora começa a almejar outros objetivos no Campeonato Brasileiro. “A regularidade era o nosso intuito. Temos que brigar por coisas maiores, há cinco anos estamos brigando para não cair. Chega no mês de novembro e a gente começa a pensar no que vai nos acontecer, então esse é o momento de embalar, estamos numa ascensão muito boa. Não perdemos há quatro jogos, mesmo o Brasileiro com esse nível equilibrado, se deixarmos de somar pontos em dois jogos, a cobrança já aumenta, então podemos render mais ainda. Conquistamos os três pontos que precisávamos, agora é buscar a vitória contra o Avaí”, finalizou.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…