27 set 2010 - 18h18

Bate na madeira, pé de pato, mangalô, três vezes!

Quarenta e quatro minutos do segundo tempo. O Atlético vence por 1 a 0, mas é o adversário que ataca. A torcida fica apreensiva. A bola vai para fora. Alívio e comemoração na Baixada.

Teria sido por causa da mandinga do fanático que ficou com a mão sobre o escudo do Atlético? Ou foi obra das figas da garota assistindo ao jogo perto do gol? “Sapo seco, salamandra”, espantou um guri. Quem sabe teve uma ajudinha do senhor que desligou o rádio no momento difícil.

Usar a mesma camisa, assistir aos jogos sempre no mesmo lugar, no estádio ou em casa, fazer o sinal da cruz quando o árbitro apita o início da partida são ações que fazem parte do cotidiano de torcedores rubro-negros.

Quem não é fanático pode estranhar, mas rituais como esses são absolutamente normais para uma legião de rubro-negros apaixonados. Muitos repetem gestos, palavras, trajes, objetos e atitudes há vários anos. Passam a fazer parte do hábito de acompanhar futebol e, depois de um tempo, tornam-se tão naturais que às vezes nem são notados. Mas ai de quem esquecer de cumprir sua obrigação! Se o time perder, o sentimento de culpa é inevitável.

“Promessas, despachos, mandingas, benzimentos, comportamentos e atitudes que se padronizam e se repetem de vitória em vitória, pois deram sorte, fazem parte do arsenal de recursos que cada time procura acumular”, explicou o sociólogo José Paulo Carneiro Vieira, em artigo publicado ainda nos anos 70. Independente de crenças ou filosofias, invocar os bons fluidos está intimamente ligado à história do futebol brasileiro, tendo inspirado o filósofo da bola Neném Prancha a formular frase que se tornou célebre: “Se macumba ganhasse jogo, o Campeonato Baiano terminava empatado”.

De fato, o apelo à mandingas faz parte do cotidiano no futebol e não é um fenômeno exclusivo de uma torcida ou região. “Esse comportamento, é evidente, não está restrito a um outro país ou clube. Ele faz parte da psicologia futebolística de todos os locais, assim como da psicologia religiosa de todos os tempos”, afirmou o historiador Hilário Franco Júnior no livro “A dança dos deuses”, de 2003.

O genial cronista Nelson Rodrigues já havia identificado a importância da superstição no Brasil: “Nenhum brasileiro consegue ser nada, no futebol ou fora dele, sem a sua medalhinha no pescoço, sem os seus santos, as suas promessas e, numa palavra, sem o seu Deus pessoal e intransferível”.

Por isso, a Furacao.com resolveu investigar quais são as superstições dos torcedores atleticanos. Escolhemos fazer a consulta através do Twitter, onde o perfil do site já reúne quase cinco mil rubro-negros. Recebemos dezenas de respostas. Há quem só entre na Arena da Baixada pela mesma catraca. Ou usa sempre a mesma peça de roupa durante os jogos.

Confira abaixo as superstições selecionadas pela nossa equipe e acompanhe o Twitter da Furacao.com para participar de futuras reportagens.

As mandingas atleticanas

@guilhermeodv Em lances do Furacão, cruzar TODOS os dedos da mão, inclusive braços e pernas!

@blogdoduune Gritar “Nhaca… Fidusca!” em todas as jogadas do time adversário!

@dhoolvll Não ver pênalti do CAP, nem a favor nem contra, seja na Baixada ou pela TV

@luguihartmann Ajoelhar em frente à TV em cobranças de pênalti sempre adiantou

@gszanoni Três vezes o sinal da cruz sempre no início de cada tempo!

@dayepc Sempre faço a mesma oração antes do jogo: “Senhor seja a feita a sua vontade, mas que, por favor, ela seja a mesma que a minha”!

@ednamirian Vou trabalhar de vermelho e preto no dia do jogo e no outro dia após o jogo também! Dá sorte!

@navianna_ Nunca usar verde, só rubro-negro! E também nada de prata, só dourado, para atrair o 1º lugar!

@palpitesbolao Falo três vezes “sapo seco salamandra” antes de passar a roleta do estádio

@la_markowicz Quando o adversário está com a bola, cruzo os dedos e, quando o Furacão está com a bola, faço figas! Faço isso durante todo o jogo!

@RenatoMarchiori Coloco a mão no símbolo do Atlético em lances de perigo, a favor ou contra

@ale_lexie Eu e a @anahetka sempre gritamos “fedusca” quando o adversário está com a bola

@auronpm Sempre uso o mesmo boné preto. O dia que não usei, perdemos!

@alezeus Não faço a barba em dia de jogo do CAP!

@gelourenco Em cobranças de escanteio, falta ou penais, sempre coloco as mãos no rosto, esfrego e as assopro

@DaniStarck Uso sempre o mesmo sapato, troco se algo der errado. Em 2001, o mesmo All Star foi a todos os jogos

@Pamstival Aqui em casa não podemos almoçar com a camisa que vamos usar no jogo mais tarde. Se almoçar com a mesma roupa lá se vão três pontos…

@erickcapherrera Não sair de perto da TV nem para ir ao banheiro

@diogo_rm Eu tapo os ouvidos com fone de ouvido ligado na rádio narrando o jogo durante os lances perigosos de bola parada

@myllacap Monto um altar na Baixada com vela, santos, água benta

@lolapunka Não posso deixar as pernas ou os braços cruzados nas cobranças de falta ou pênalti. E ainda faço todo mundo descruzar também.

@realbueno Eu sempre entro pela mesma catraca

@rlyjak Em dias de jogo durmo com meu pijama do CAP

@cleytonsouzza Sinal da cruz quando a bola rola e bater no escudo no peito na hora do gol

@EloiseCAP Sempre passo no shopping no caminho do estádio e saio pela mesma porta que entrei. Uso a mesma camisa nos jogos aqui e fora uso outra

@celsoadam Cruzo os pés quando o adversário ataca e quando CAP rouba a bola descruzo os pés

@gabrieldeenis Sempre ver o http://www.furacao.com antes do jogo

@rhaaaaai Sempre que escuto no rádio e é ataque do outro time, fecho os olhos e rezo. Na maioria das vezes dá certo!

@giiuliss Quando escuto o jogo pelo rádio, sempre que o time adversário está dando perigo, eu desligo o rádio

@dhoolvll Não ver pênalti do CAP. Nem a favor nem contra. Na Baixada ou na TV.

@mathenoo Cruzar os dedos na cobrança de falta do time adversário

@rafaeldemelocap Ficar sempre atrás do gol adversário

@marcelo_fila Eu não assisto aos jogos, eu dou azar…

@joaokuster Jamais, em hipótese alguma, vejo a cobrança de pênalti a nosso favor. Desde que eu me lembre não perdemos mais gols assim

@EduardoScopel Não assistir cobrança de pênalti. Sento e fico aguardando a reação da torcida

@kmurilo Deixar a namorada em casa. Todas as vezes que a levei o Furacão não ganhou…

@Guigo_Kriger Em clássicos eu uso uma camiseta do CAP dos anos 80 que meu pai ganhou do Jatobá, e o histórico dela é de nenhuma derrota.

@EvellynHelo Ir com um All Star de cada cor, um preto e o outro vermelho

@gabriel_kolbe Sempre quando tem um lance perigoso do adversário, viro de costas e espero o lance acabar. Tem dado certo!

@rhanamarcal Usar o escapulário junto com a correntinha do Furacão! Sem contar que nada pode ser verde!

@Rafael_BCP Estacionar o carro na “vaga do tio”, a vaga da sorte em jogo do Furacão

@camiiilinha Meu pai me deu um brinco do Atlético quando eu era menininha, desde então eu vou a todo o jogo usando ele!

@TuttyCAP Eu tenho um frasco de água benta de Nossa Senhora de Fátima, não assisto e não vou ao jogo do CAP sem ele

@aditvmiranda Leio o jogo somente pelo Fórum Furacao.com. Acompanhar o jogo pela rádio, é muito para o coração

@GiulianoAlmeida A cueca, é claro, tem que ser vermelha. O pão com bife na Baixada também já virou ritual e, agora, claro: a gelada no Prajá

@TaiBio Nada de verde. Nem a etiqueta da calça pode conter algo verde, isso significaria má sorte!

@oCalil Ver o Atlético entrar do lado da bateria da Fanáticos, ouvir os hinos correndo pelo corredor, e sentar na minha cadeira na MM.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…