21 out 2010 - 12h28

Gabiru acerta com o Corinthians-PR

Adriano Gabiru está de volta aos gramados e ao futebol paranaense. Depois de quase um ano parado, sem clube, o jogador será apresentado nesta quinta-feira às 15h30, como reforço do Corinthians Paranaense para o Estadual. Uma nova empreitada que ele mesmo define, mesmo ainda aos 33 anos, sem maiores pretensões que não sejam jogar futebol.

“Eu estou bem, muito feliz. O importante não é mais aparecer [nacionalmente], mas jogar, jogar, jogar”, afirmou o atleta.

Um dos maiores vencedores de títulos pelo Atlético (entre outros, campeão brasileiro em 2001), he­­rói do Internacional na conquista do Mundial Interclubes em 2006 e com passagens pela seleção brasileira, os últimos anos acabaram sendo duros para Gabiru. Nada, entretanto, que interfira no hu­­mor do atleta que prefere esquecer o que passou, seja o lado bom ou o ruim.

“O meu melhor momento é hoje, que estou voltando a jogar. Não falo mais do passado”, diz o jogador que, na sua última passagem a ser lembrada, subiu com o Guarani em 2009. Era uma espécie de reserva de luxo.

“Foi mesmo a última, pois pelo Mixto (do Mato Grosso), no começo do ano, só passei mesmo”, conta o jogador que ficou apenas 40 dias no clube. “O problema é que para sair de Curitiba para ganhar pouco não dava. Então, muitos não aceitavam. E eu fiquei aí, sem fazer nada.”

Ou seja, será uma caminhada dura para o meia que já teve sua última passagem pela seleção na Copa das Confederações da França, em 2003. Afinal, como ele mesmo definiu, apenas academia não serve de treino. Mas como o Paranaense inicia apenas no dia 16 de janeiro.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…