6 nov 2012 - 19h58

Ricardo Drubscky descarta salto alto

O Atlético-PR estava embalado pela vitória sobre o São Caetano fora de casa e buscava dar mais um passo rumo à Série A do Campeonato Brasileiro. O time, porém, tropeçou e só empatou com o América-RN no Ecoestádio Janguito, pela 35ª rodada.

Ricardo Drubscky, em coletiva depois do jogo, garantiu que o grupo não entrou em campo de salto alto. "A equipe que veio com uma proposta defensiva (o time de Natal) conseguiu um melhor intento e pegou a nossa equipe em um momento de pouca inspiração. Neste grupo, não tem um com característica de salto alto. São até humildes demais", afirmou o comandante rubro-negro.

Com o resultado, o Furacão chegou aos 66 pontos, no terceiro lugar. O time, porém, pode ser ultrapassado pelo Vitória (que visita o América-MG) e ver a distância para o São Caetano (que encara o Criciúma) diminuir. Por isso, Ricardo Drubscky admitiu que o clima no vestiário, após o empate com o Mecão, era de muita tristeza. Ele, porém, mostrou confiança em relação à sequência da Série B:

"Muito triste. Eu tive que tentar controlar, mas sem desespero. Os jogadores de cabeça baixa, chateados porque sabiam que podiam fazer coisa melhor. Infelizmente, não foi dessa forma. Hoje é um dia para estar triste, assim como depois do São Caetano era para estar alegre. Amanhã, nós estamos firmes e fortes, e a gente recomeça a nossa jornada. Vamos buscar uma vitória fora de casa, não tenham dúvida disso", afirmou.

Motivos do empate

Ricardo Drubscky aponta dois motivos como os responsáveis pelo tropeço do Atlético-PR. Um é a postura do adversário, forte na marcação e eficiente na frente depois dos 10 minutos do segundo tempo. Outra é o cansaço do grupo por ter jogado no sábado, em São Caetano do Sul.

"(O Atlético-PR) fez um primeiro tempo razoável e começou o segundo tempo muito bem, com muitas oportunidades e um volume de jogo muito bom. A partir dos 10 minutos, o time deles começou a encaixar atrás e ficou mais difícil. Eles tiveram uma postura defensiva, e isso dificultou. Somado com a nossa falta de inspiração, com a nossa não boa prestação de serviço, deu nisso. Em nada muda a visão que nós temos do campeonato. É um campeonato muito difícil", comentou.

– Depois de um jogo desgastante contra o São Caetano, a gente veio para o jogo dentro de casa com pouco tempo de recuperação. Então, somou-se à nossa apatia, um cansaço físico – completou o técnico rubro-negro.

O próximo compromisso do Atlético-PR é o ASA, às 21h50 de sexta-feira. Depois, o Furacão ainda encara o Criciúma em Santa Catarina e o Paraná Clube em Curitiba, como mandante.



Últimas Notícias

Ao Sol e à Sombra

Gol de Matosas

É verdadeiramente impossível descrever o que se sente na primeira vez em que se entra em um estádio de futebol lotado, sobretudo quando se vive…

Brasileiro

Derrota em Porto Alegre

O Furacão fez boa partida, principalmente na primeira etapa, mas não reverteu em gols as chances e sofreu o castigo fatal aos 31 da etapa…

Ao Sol e à Sombra

Alex Mineiro

Parecia o caso de um jogador que seria lembrado como coadjuvante de uma equipe imparável. Um carregador de piano, invisível aos olhos dos leigos, que…