2 abr 2014 - 22h19

Atlético perde e dá adeus ao Estadual

O Atlético viajou até o interior do estado para enfrentar o Londrina, na noite desta quarta-feira, em partida que decidia qual equipe iria passar para a final do Campeonato Paranaense. A surpresa na escalação ficou por conta da presença de Adriano Imperador. Mesmo com a vantagem de 3 a 1 no jogo de ida, o Furacão esteve irreconhecível e perdeu pelo placar de 4 a 1 e deu adeus ao campeonato.

Como era de se esperar, a equipe da casa partiu para o ataque e tomou as ações logo nos minutos iniciais. Antes dos 10 minutos, foram duas jogadas de perigo do Tubarão. Aos cinco Celsinho bateu com força e o goleiro Rodolfo jogou para escanteio. Aos oito minutos, Rone Dias tentou fazer gol olímpico em cobrança de escanteio, exigindo difícil defesa do arqueiro rubro-negro.

Postado em campo para explorar os contra-ataques, aos 14 minutos o Furacão encaixou boa jogada e abriu o placar. Adriano recebeu a bola e descolou excelente passe para Marcos Guilherme. O artilheiro rubro-negro no Paranaense abriu pela direita e chutou cruzado, vencendo o goleiro Vitor. Atlético 1 a 0.

O Londrina sentiu o gol, mas tentava reagir principalmente em chutes de longa distância com Rone Dias. Pela esquerda, com Sidcley, era de onde saíam as melhores jogadas do Atlético. Em uma delas o lateral sofreu falta violenta, mas a cobrança foi desperdiçada.

De tanto insistir, o gol de empate do Tubarão veio aos 34 minutos do primeito tempo. Joel fez boa jogada pela esquerda e tocou para Arthur. O atacante só teve o trabalho de empurrar para as redes.

Após o gol, o Atlético não se encontrou em campo e encontrou dificuldades em armar as jogadas de ataque. Com maior volume de jogo, o Londrina seguia rondando a área atleticana, principalmente com o perigoso Rone Dias, mas as equipes foram para os vestiários com a igualdade no placar.

Segundo tempo: Londrina marca três e avança a final

As equipes voltaram ao gramado do Estádio do Café sem alterações para a segunda etapa. Assim como ocorreu na primeira etapa, o Londrina partiu para cima desde os minutos iniciais. O Furacão, novamente, estava postado para buscar os contra-ataques.

A pressão do Londrina surtiu efeito e a equipe marcou dois gols em dois minutos. Primeiro, aos 10, Joel aproveitou um corte mal feito pelo zagueiro Lucas Alves e mandou para o gol. Quando o Rubro-Negro ainda tentava assimilar o golpe, a equipe da casa aproveitou o bom momento e chegou aos terceiro gol, com Arthur. Após cobrança de escanteio e nova falha da zaga atleticana, o atacante novamente só teve o trabalho de empurrar para o gol.

Atordoado e acuado em campo, o Atlético não conseguia chegar com perigo e ainda via o Londrina chegar com facilidade ao seu gol, principalmente em jogada pelas laterais. Somente aos 23 minutos o Rubro-Negro voltou a assustar o goleiro Vitor. Adriano foi lançado e chutou prensado e a bola foi para fora. Aos 26, Otávio fez ótima jogada e soltou a bomba, que explodiu na trave do Londrina.

Os lances acordaram novamente o Londrina e a resposta veio com o quarto gol, aos 28 minutos. Em nova falha defensiva da zaga atleticana, Arthur pegou a sobra após cobrança de escanteio e anotou o seu terceiro gol no jogo. Londrina 4 a 1.

Desesperado após ver a vaca indo para o brejo, o técnico Petkovic sacou Juninho, Otávio e Hernani e colocou Harrison, Guilherme e Nathan, respectivamente. As alterações não surtiram efeito e o Londrina segurou a vantagem de três gols até o final e se classificou à final do certame estadual, contra o Maringá.

%ficha=1044%



Últimas Notícias

Libertadores

Hoje é um novo dia…..

…. de um novo tempo/que começou Nesses novos dias/as alegrias/ serão de todos/é só querer. Esses nossos sonhos/ serão verdade o futuro já começou.  …

Fala, Atleticano

Mais do mesmo

Não consigo ver futuro no futebol que o meu time está praticando. Ou seja, não está jogando nada já faz um bom tempo. Vejamos: zagueiro…

Fala, Atleticano

Reflexões…

Após a Derrota contra o Fluminense… Nosso “DT” Felipão, implorou pelo apoio da torcida no jogo de quarta, pois é “vida ou morte”… O Atlhetico…

Fala, Atleticano

Nunca foi unanimidade

Nunca ele foi unanimidade perante a torcida do CAP, o “queridinho” do Petraglia, só conseguiu um destaque em 2018, sob a batuta do Thiago Nunes,…