18 abr 2015 - 22h10

Weverton: "É um momento triste"

Após mais um revés em plena Arena da Baixada, no fraquíssimo Campeonato Paranaense e diante do frágil Rio Branco, o Atlético foi novamente vaiado pela torcida, que não suporta mais ver tanta apatia dentro de campo.

Depois da derrota por 3 a 1, que complicou a vida do Furacão no "Torneio da Morte" do certame estadual, o goleiro Weverton, um dos poucos jogadores ainda preservados pela torcida, desabafou: "É um momento muito triste", disse em entrevista após a partida.

Ao falar sobre o momento que vive o time, o camisa 12 demonstrou a mesma incredulidade que a maioria dos torcedores:

"É uma coisa inexplicável. Até nós mesmos nos perguntamos e analisamos todos os dias, da mesma forma que o torcedor sofre a gente também sofre. A gente não pode sair de casa, a gente não pode sair pra jantar, a gente não pode sair pra almoçar, a gente não pode pegar a família e dar uma volta, porque a gente vai ouvir o que não quer, com razão. Mas é um momento inexplicável, é um momento triste, para nós jogadores e pro torcedor também", lamentou.

O arqueiro rubro-negro, no entanto, procurou evitar a "caça às bruxas", preferindo focar seu discurso na busca pela reação:

"Acho que agora não é hora de a gente ficar buscando culpado, nem ficar tentando achar erro, e sim tentar achar a solução. Então agora é pensar no próximo adversário e tentar vencer para sair o mais rápido possível desta situação incômoda", projetou.

Weverton também não fugiu da responsabilidade, admitindo que foi este grupo quem colocou o Atlético nesta situação e é este mesmo grupo quem vai ter que resolver o problema:

"Ninguém vai resolver o nosso problema a não ser nós. Então enquanto não acabar isto, este torneio, enquanto a gente não se livrar disto a gente não vai descansar, a gente não vai ter paz, a gente não vai conseguir ser feliz de verdade enquanto estiver nesta situação. Então, da mesma forma que o torcedor está inconformado, a gente também está. A gente tomou gols hoje que é complicado de falar, mas que não são coisas normais. Que nem eu vou voltar a falar, neste momento, não adianta a gente querer achar um culpado. O culpado é o grupo todo, o culpado é todo mundo, todos que fazem parte e que representam o Atlético têm sua parcela de culpa e sua responsabilidade. A gente não vai fugir jamais dela e vai lutar até o final pra sair desta situação", prometeu.

O goleiro ainda admitiu que a pressão por bons resultados tem influenciado o psicológico dos jogadores, mas não tirou a razão da torcida e admitiu que o problema deve ser resolvido de dentro das quatro linhas para fora:

"Nós somos seres humanos e estamos sendo muito cobrados. Não é pouco não, é muito. E com razão. A gente foge da nossa responsabilidade e sabe que tem que ser cobrado mesmo. Tudo que o torcedor fizer, desde que não bote a vida de ninguém em risco e nem cause nenhum problema maior, ele tem toda razão de vir aqui no estádio e fazer o que está fazendo. E isso com certeza vai no psicológico de muitos e é natural. Mas nosso problema não é fora das quatro linhas e sim dentro delas. Então a gente tem que procurar resolver nossos problemas lá dentro, procurar fazer o nosso melhor na próxima partida, porque essa aí não vai voltar mais, essa aí já foi, tudo o que a gente fez de bom e de ruim não vai voltar mais. É trazer a lição para o próximo jogo e procurar melhorar o mais rápido possível", avaliou.

Por fim, Weverton disse ainda acreditar numa reação do grupo, especialmente considerando o desempenho do time na reta final do Brasileirão 2014:

"Com todo respeito ao campeonato, mas as equipes que a gente enfrentou no ano passado, no Brasileiro, são muito mais qualificadas e muito melhores do que muitas equipes do Campeonato Paranaense. Acho que ninguém, nem nós e nem vocês imaginou que a gente ia estar numa situação destas. Mesmo estando com o mesmo grupo do ano passado, mesmo sem grandes contratações até então, ninguém imaginou que ia chegar nesta situação. Nem a gente, no nosso pior sonho, a gente imaginou isso. Mas futebol tem essas surpresas. E que nem eu falei, agora a gente já entrou, a gente é responsável, a gente sabe que a gente é responsável porque a gente representa um clube de uma imensidão muito grande, de uma torcida fanática, que cobra, e a gente é responsável por tudo o que acontece dentro de campo. Então, hoje, a gente envergonhou o nosso torcedor, a gente envergonhou nós mesmos, mas eu tenho certeza que este grupo vai dar a volta por cima e vai sair desta situação o mais rápido possível", concluiu.



Últimas Notícias