29 abr 2016 - 9h27

Atletibas memoráveis: o supertime de 1983

Dando continuidade à série "Atletibas memoráveis", chegamos ao ano de 1983, quando o Rubro-Negro conquistou o bicampeonato estadual após 53 anos. Uma conquista ainda mais especial, sobre os dois maiores rivais do clube: em 82 sobre o Colorado e em 83 em cima do Coritiba, em pleno Estádio Antonio Couto Pereira.

Considerado um dos melhores times da história do Clube Atlético Paranaense, o time campeão estadual de 1983, comandado por Lori Paulo Sandri e que tinha como seus fiéis escudeiros o goleiro Rafael Camarotta, o volante Jorge Luís, o meia Nivaldo Carneiro e o atacante Renato Sá teve um ano praticamente perfeito.

Depois de conquistar a terceira colocação no Brasileiro de 83 (naquela época, o campeonato nacional era disputado antes do estadual), o Atlético era apontado como favorito à conquista do Paranaense. Mas o time, que perdeu a dupla de atacantes Washington e Assis vendidos para o Fluminense, alternou momentos empolgantes e crises técnicas durante a competição. No total, foram 42 jogos, com 20 vitórias, 8 empates e 14 derrotas, num aproveitamento de 57,14%. O Furacão marcou 49 gols e levou 39. Joel foi o artilheiro, com 12 gols.

A fórmula da competição era bastante confusa, recheada por quadrangulares. Apesar de não ter vencido nenhum turno, no geral o Atlético foi a equipe que acumulou maior número de pontos. Após vários turnos e fases de classificação, a equipe conseguiu deslanchar no quadrangular final, terminando empatada em número de pontos com o Coritiba. Para se conhecer o campeão paranaense da temporada era necessária uma decisão extra, numa melhor de três pontos.

Primeiro jogo da decisão

No dia 15 de dezembro, o Couto Pereira recebeu grande público para a primeira partida da decisão. Quem vencesse, daria passo fundamental para a conquista da taça, pois poderia jogar pelo empate no domingo. Superior tecnicamente, o Atlético dominava a meia-cancha, com boas jogadas de Jorge Luis, Nivaldo e Renato Sá. Aos 20 minutos do primeiro tempo, o atacante Joel fez 1 a 0 para o rubro-negro. Na segunda etapa, o adversário bem que tentou o empate, esbarrando nas boas defesas do goleiro Rafael.

Empate na grande finalíssima e o bicampeonato

Cerca de quarenta mil pessoas compareceram ao Couto Pereira para a partida decisiva, com maioria atleticana. Como poderia se esperar, foi um jogo tenso, afinal era um Atletiba que valia título. No primeiro tempo, o Atlético se propôs a jogar com o regulamento, que lhe garantia o direito do empate. Apesar da postura defensiva do rubro-negro, o Coritiba pouco se arriscou ao ataque.

No segundo tempo, tudo mudou. Aos 18 minutos, o volante Jorge Luis recebeu a bola na ponta-esquerda e cruzou alto. O atacante Joel se antecipou ao zagueiro e cabeceou forte no canto direito do goleiro Jairo. 1 a 0 para o Atlético. O Couto Pereira ficou tingido de vermelho e preto. A comemoração foi momentaneamente interrompida aos 30 minutos, com o empate do Coxa, gol de Elísio, mas retomada logo depois e avançou por todo o estado.

Fontes: Hot site dos 80 anos (Furacao.com), Atlético: a paixão de um povo (Heriberto Ivan Machado e Valério Hoerner Júnior) e Futebol do Paraná (Heriberto Ivan Machado e Levi Mulford Chrestenzen)

Matéria originalmente publicada na Furacao.com em 22 de abril de 2008, escrita por Silvio Toaldo Junior (Furacao.com)



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…