25 jan 2017 - 23h21

PVC: “Atlético tem projeto mais ambicioso do Brasil"

O comentarista da Fox Sports, Paulo Vinicius Coelho, classificou como o “projeto mais ambicioso do futebol brasileiro” a proposta do Atlético em ser campeão Mundial em dez anos. Em sua coluna no UOL Esporte nesta quarta-feira, o comentarista, um dos mais respeitados do país, não duvida dessa possibilidade e cita questões como a integração dos jogadores de todas as categorias e a tecnologia e sistemas para monitorar treinos, adversários e o mercado como diferenciais atleticanos para buscar esse objetivo.

Ele também desmistificou a ideia, bastante difundida no ano passado, de que a grama sintética na Arena favorecia o time atleticano: “até porque o gramado é igual ao natural e faz a bola correr de forma semelhante à da Arena Corinthians, em Itaquera”, escreveu.

Por fim, disse que a participação do clube na Libertadores deste ano permite o sonho em adiantar os planos, mesmo ressaltando que a meta, em princípio, é chegar o mais longe possível na competição: “O Atlético planeja avançar contra o Millonarios e classificar-se para a fase de grupos. Depois chegar aos mata-matas e chegar o mais longe possível. O plano da taça não é para este ano. Mas a Libertadores permite até pensar nisso, pelo equilíbrio.”

Confira o texto na íntegra de PVC sobre o sonho atleticano de conquistar o mundo, publicado no Blog do PVC, no UOL Esporte:

Atlético Paranaense campeão mundial em dez anos? O projeto começa hoje

Começa hoje com o amistoso entre o Atlético Paranaense contra o Peñarol, na Arena da Baixada às 20h, o projeto mais ambicioso do futebol brasileiro. No CT do Caju, fala-se em ser campeão mundial em dez anos. Isso não implica a ambição de conquistar a Libertadores em 2017. A ideia é fazer uma grande campanha. A lógica do ambicioso plano é a mesma de 1995, quando o Atlético deixou a Série B, planejou a construção da Arena no velho estádio Joaquim Américo e sonhou ser campeão brasileiro no mesmo período: dez anos.

Foi campeão nacional seis anos depois.

Verdade que num campeonato diferente da maioria, em que a decisão aconteceu contra o São Caetano. Mas nos dez anos seguintes ao acesso, o Atlético Paranaense foi também vice-campeão brasileiro de 2004 e vice-campeão da Libertadores de 2005.

Houve quedas, como o rebaixamento de 2011. Mas o time se mantém entre os mais regulares do país e alcança o Botafogo em 12o lugar entre os que mais participaram da Libertadores.

A ambição do Atlético Paranaense parece um sonho de loucos, exceto quando se visita o Centro de Treinamento do Caju, em Curitiba. A integração entre jogadores de todas as categorias, do sub-15 ao profissional, a estratégia seguida à risca de ter as divisões de base ligadas aos profissionais — são 22 jogadores formados em casa no elenco de 2017 — os sistemas criados para analisar treinos, adversários e monitorar o mercado. Cada detalhe parece pensado.

No amistoso de hoje, contra o Peñarol, dos onze titulares prováveis, sete são da base: Santos, Léo, Sidcley, Otávio, Rossetto, Pablo e João Pedro. A lógica, com as entradas de Wéverton e Lucho González, é que sejam cinco os titulares provenientes da base. Léo começou na base do Vitória. Foi sub-23 do Atlético.

O que mais incomoda o Atlético hoje é a repetição de perguntas sobre a importância da grama sintética no sucesso da equipe: ‘Estudei a vantagem dos jogos em casa no Campeonato Inglês. Há vantagem por jogar em casa. No nosso caso, não é a grama’, repete Paulo Autuori.

Não é mesmo. Até porque o gramado é igual ao natural e faz a bola correr de forma semelhante à da Arena Corinthians, em Itaquera.

O Atlético planeja avançar contra o Millonarios e classificar-se para a fase de grupos. Depois chegar aos mata-matas e chegar o mais longe possível. O plano da taça não é para este ano. Mas a Libertadores permite até pensar nisso, pelo equilíbrio.

O plano é mais audacioso: ser campeão do mundo em dez anos. Se vai dar certo é outra questão
Mas que trabalho organizado para isso existe, pode acreditar.



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…