9 fev 2017 - 1h13

Autuori adverte: tem que aprender a sofrer

Depois da dramática classificação do Atlético para a terceira fase da Libertadores, o técnico Paulo Autuori concedeu entrevista e avaliou o desempenho de sua equipe. Questionado sobre a pressão sofrida em campo, o treinador reclamou da falta de tempo para preparação mas se mostrou tranquilo e otimista:

"Eu trabalho no futebol há muito tempo. Não vejo problema nenhum sofrer sufoco desde que você esteja bem postado. Essas equipes trabalham muito vertendo o jogo de um lado para o outro, na hora de construir você sofre. Nós temos 26 dias de trabalho. O mais importante é nós passarmos. Nenhuma presunção de virmos aqui e fazer um jogaço, longe disso. Nós queremos criar uma equipe competitiva. Essa equipe vai ser competiva, não tenho dúvida nenhuma", avaliou.

Autuori aproveitou para prometer um time mais competitivo, mas ressaltou que nenhum objetivo há de ser alcançado sem sofrimento:

"Na vida, não só no futebol, aqueles que conseguem atingir seus objetivos são aqueles que estão prontos para sofrer. Essa equipe vai se assentar e vai ser forte em todos os níveis", filosofou.

Considerando importante a exuberante atuação de Weverton, responsável direto pelo placar mínimo durante os 90 minutos e também por defender uma das cobranças de pênalti do Millonarios, o técnico atleticano também fez questão de ressaltar a qualidade das cobranças dos jogadores do Atlético:

"Alguns clubes brasileiros foram campeões devido a seus goleiros. Para nós é uma satisfação. Não esqueço nunca o que o Vitor fez pelo Atlético Mineiro. E o Weverton já não é a primeira vez, e isso dá muita confiança. Mas a qualidade e a tranquilidades daqueles que bateram pênalti foi fundamental. Nós havíamos treinado bem ontem isso, foi muito boa a maneira como trabalharam e treinaram. E na hora do jogo toda a categoria, toda a experiência, daqueles que, por acaso, foram os quatro que chegaram. A gente fica satisfeito, completamente tranquilo, em pouco tempo de trabalho, o terceiro jogo ser tudo ou nada."

Em conclusão, Autuori falou da difícil sequência de jogos que o Furacão tem pela frente e voltou a lembrar que o importante é que os objetivos sejam alcançados:

"Não ha tempo para lamentações. O tempo é curtíssimo. A probabilidade é que seja uma equipe peruana, Universitario, depois já tem Atletiba, e aí teremos que viajar. O mais importante nesse momento é conseguir o objetivo, isso que vai te fortalecer. A plasticidade do jogo vai aparecer depois", arrematou.



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…