4 out 2017 - 19h38

Petraglia: “O que paga conta é renda, não público”

Depois de ver o Paraná Clube bater o recorde de público na Arena da Baixada, com 39.414 torcedores na vitória por 1 a 0 sobre o Internacional, o presidente do Conselho Deliberativo do Atlético, Mário Celso Petraglia, usou a equação entre público presente e renda para se justificar aos torcedores atleticanos, que contestaram a política de preços de ingressos adotada pelo clube. Para lotar a Arena, o Paraná vendeu ingressos cinco vezes mais baratos que o Atlético normalmente comercializa – o ingresso de arquibancada para o jogo do Tricolor contra os gaúchos foi vendido a R$ 60,00, com uma promoção especial de R$ 30,00 para quem fosse ao jogo com a camisa do clube, enquanto o Atlético comercializa os bilhetes a R$ 150,00, com valor promocional de R$ 100,00 para a compra de bilhetes antecipados.

“O PC (sic) está num momento de motivação, na busca da sobrevivência e recuperação, por esta razão os 40K presentes hoje [ontem] a preço de R$ 30,00 o ingresso, lembro, o que paga a conta é renda e não público!”, escreveu Petraglia aos torcedores do Furacão, segundo reportagem publicada pelo site UOL. No jogo entre Paraná x Internacional, a renda foi de R$ 1.224.660,00. O maior público do Atlético na Arena foi no dia 26 de abril deste ano, na partida contra o Flamengo pela Libertadores, com 36.519 torcedores (33.463 pagantes) e renda de R$ 1.588.815,00.

Petraglia também salientou a necessidade do Rubro-Negro fazer caixa, incluindo o aluguel do estádio para rivais, e resumiu como sentimento de ódio e motivos fúteis a contestação de parte da torcida quanto à maneira e termos utilizados na locação. O presidente atleticano, no entanto, não mencionou em momento algum o tratamento diferenciado que deu aos paranistas, liberando materiais da torcida organizada como bandeiras, faixas e materiais de percussão e até mesmo eliminando a necessidade do cadastro biométrico aos torcedores para esse jogo, além, claro, da nítida diferença no valor do ingresso. "O futebol mudou, hoje é milionário, quem não tiver caixa não ganhará nada, nossa luta é nesse sentido, no entanto, vemos e sentimos a falta de visão e de controle de parte da nossa torcida sofrendo e sentindo ódio por motivos fúteis”, disse.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…