3 ago 2019 - 16h09

Destrinchando as médias de público do Athletico

O pequeno público da Arena da Baixada nos últimos jogos do Athletico vem sendo motivo de várias discussões entre os torcedores. O torcedor atleticano só vai “na boa”? O Sócio Furacão é o modelo ideal? Quanto a biometria e a “torcida humana” influenciaram na queda de público?

Analisando as médias de público do Athletico em campeonatos brasileiros desde 1999 (inauguração da Arena), é possível observar que houve um aumento significativo quando o clube lançou o plano do Sócio Furacão em 2008 (cerca de 36% de aumento). Antes disso o clube nunca teve uma média tão alta, exceto no ano de inauguração do estádio e inclusive nem mesmo em 2001, ano do título brasileiro.

Um dado que se destaca é a diferença entre a média de público do Athletico com a média de público do Brasileirão. Essa média sempre foi bem próxima, exceto nos anos de melhores campanhas do Furacão, 2001 e 2004 (campeão e vice), em que a média foi bem superior, e nos últimos anos em que ela foi bem abaixo.

Após o início da biometria (2017.2) no estádio atleticano, a média de público diminuiu cerca de 30% e ficou bem atrás da média nacional, essa que vem crescendo ano após ano. Em 2018 a média de público do campeonato foi a maior desde 1987 e nas 12 primeiras rodadas de 2019 é maior ainda que a do ano anterior. Já o Athletico segue na contramão, em 2018 (início da “torcida humana”) o clube foi um dos melhores mandantes do campeonato e teve sua terceira pior média na Baixada.

É de se imaginar que as maiores médias de público são nos anos de melhores campanhas, o mesmo raciocínio serve também para as piores, porém em valores absolutos, as médias do Athletico não seguem essa lógica. Os anos com maiores médias foram anos em que o clube não brigou por título ou vaga na libertadores (1999, 2008, 2009, 2015, 2014), e até mesmo no ano do rebaixamento (2011) a média não foi baixa.

Neste Campeonato Brasileiro de 2019, o rubro-negro ocupa a 7ª colocação, mas sua média de público está entre as 6 piores. Antes da biometria e da “torcida humana”, a torcida acumulava 7 anos seguidos de top10 na classificação entre as médias de público. Nosso estádio para 40 mil pessoas tem uma taxa de ocupação de apenas 30%, quarta pior marca entre os 20 clubes da Série A.

O Athletico passa por uma das melhores fase dos últimos anos e não consegue lotar sua casa. Um clube e torcida que sempre foram reconhecidos por jogarem juntos. Pela lógica deveria ser o ano para quebrar o recorde de média de público, mas passa bem longe disso.

Claramente é possível observar que não são só bons resultados dentro de campo que vão trazer o torcedor de volta. O sucesso do Sócio Furacão já não é mais o mesmo, não houve uma grande adesão nem mesmo com o melhor calendário da história do clube. A compra de ingressos é mínima por causa do valor de R$150, afastando novos torcedores do estádio. A “torcida humana” impede torcedores adversários de frequentarem a Arena, jogos contra times de grande torcida eram grandes oportunidades de ganhar renda. A torcida atleticana aguarda ansiosamente qualquer tentativa da diretoria para reverter essa situação.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…