15 ago 2020 - 12h38

Com ou sem transmissão? Entenda a confusa novela dos jogos do Furacão no Brasileiro

Instantes antes de o Athletico entrar em campo pelo Campeonato Brasileiro, um dilema toma conta dos torcedores rubro-negros.

Ao invés de focar as atenções nas escalações dos times, desfalques e pontos fortes para a partida, ou mesmo nos famosos palpites sobre o placar do jogo, a grande pergunta que predomina é: vai ou não vai ter transmissão ao vivo das imagens do jogo?

A Furacao.com vai tentar explicar um pouco mais essa confusão. De forma resumida, hoje existem quatro meios de transmissão de uma partida de futebol no Brasil: TV aberta, TV fechada, pay-per-view e transmissão internacional.

Os clubes são os detentores dos direitos de transmissão de seus jogos e podem optar por exibi-los diretamente ou vender esses direitos a interessados (normalmente, grupos de comunicação).

Confira detalhes de cada um:

TV aberta

É o sistema de transmissão mais simples de entender. Todos os clubes que disputam a Série A do Brasileirão assinaram contrato com a Rede Globo por meio do qual cederam a exclusividade de seus direitos para transmissão dos jogos na TV aberta à emissora carioca.

A cada rodada, a Globo escolhe duas partidas para transmitir na rede. Para este fim de semana, por exemplo, constam os seguintes jogos na grade da emissora: Vasco x São Paulo para todo país e a transmissão regionalizada de Bahia x Bragantino.

Todos os demais jogos da rodada, que a Globo “não escolhe”, passam para as outras opções de transmissão nacional: canal fechado e pay-per-view.

Canal fechado

Os grupos Globo (com o canal SporTV) e Turner (com os canais Space e TNT) dividem as transmissões em canal fechado do Brasileirão 2020.

Doze dos vinte clubes da Série A têm contrato de transmissão com o SporTV: Atlético Goianiense, Atlético Mineiro, Botafogo, Corinthians, Flamengo, Fluminense, Goiás, Grêmio, Red Bull Bragantino, São Paulo, Sport e Vasco. Os outros oito clubes, entre eles o Furacão, têm contrato com a TNT/Space: Athletico, Bahia, Coritiba, Ceará, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos.

Até o ano passado, as transmissões em canal fechado (pelo SporTV ou TNT/Space) ocorriam apenas nos confrontos em que a emissora possuía os direitos de ambos os clubes. Os jogos entre equipes com contratos com diferentes emissoras ficavam no “apagão” – não eram transmitidos.

Em 2020, no entanto, houve a edição da Medida Provisória 984/2020, que ficou conhecida como “MP do Mandante”, e alterou a Lei Pelé para estabelecer a seguinte regra: “Pertence à entidade de prática desportiva mandante o direito de arena sobre o espetáculo desportivo, consistente na prerrogativa exclusiva de negociar, autorizar ou proibir a captação, a fixação, a emissão, a transmissão, a retransmissão ou a reprodução de imagens, por qualquer meio ou processo, do espetáculo desportivo”.

Ou seja, passou a se permitir que o clube mandante realizasse a transmissão ou negociasse esse direito sem a anuência do clube visitante.

Com base nessa alteração da Lei, a Turner anunciou que irá transmitir jogos em que os clubes que têm contrato com ela são mandantes – entre esses jogos, dois do Furacão: Athletico x Fluminense (5ª rodada) e Athletico x Botafogo (9ª rodada).

A Globo, por sua vez, alega que a alteração legislativa promovida pela MP não pode afetar os contratos firmados anteriores. Por isso, ingressou com ações no Poder Judiciário para proibir as transmissões baseadas na MP do Mandante.

Pay-per-view

Há ainda uma terceira forma de transmissão dos jogos da rodada do Brasileirão: o pay-per-view, em que os torcedores adquirem pacotes especiais para transmissões específicas dos campeonatos. Até agora, o sistema de transmissão nessa modalidade era conduzido pelo Grupo Globo, através das transmissões pelo Premiere FC. Dos 20 clubes da Série A do Brasileirão, o Athletico é o único que não assinou contrato com o Premiere – ou seja, pelo contrato, o Premiere pode transmitir todos os jogos da competição via pay-per-view, com exceção às 38 partidas do Athletico no Brasileiro.

No entanto, baseado na MP do Mandante, o Furacão criou uma alternativa para os torcedores assistirem às partidas em que é o mandante: a transmissão pela plataforma de streaming OTT do clube, o Furacão Play. O acesso ao Furacão Play é gratuito aos sócios do Athletico, havendo também a possibilidade de assinatura, por R$ 24,90 por mês, para quem não é sócio.

Ao anunciar o sistema próprio de transmissão, o presidente Mario Celso Petraglia explicou que o Furacão pretende transmitir todos os seus 19 jogos como mandante do Brasileirão, amparando-se na MP 984 – a primeira partida transmitida foi entre Athletico x Goiás, na quarta-feira (13).

Surgiu então uma disputa judicial entre o Grupo Globo e o Athletico. Após uma série de decisões, finalmente o Tribunal de Justiça autorizou a transmissão da primeira partida do Furacão em casa momentos antes do início do jogo.

Nesta sexta-feira (14/8), a Globo ajuizou uma outra ação contra o Athletico, em que alega que a MP do Mandante é inconstitucional e pede que o Athletico seja impedido de realizar transmissões, por qualquer meio, de jogos do Brasileirão 2020. Ainda não houve decisão da Justiça, o que deve ocorrer até o jogo contra o Palmeiras, no dia 19/8.

Transmissão internacional

Uma quarta modalidade de transmissão passou a ser oferecida nesta temporada: a transmissão internacional, adquirida por sites de apostas. No jogo entre Fortaleza x Athletico, que não teve transmissão pela Globo (TV aberta) e Turner (canal fechado), por opção das emissoras, os torcedores rapidamente viram rodar na Internet links com a transmissão para fora do país.

A exibição foi através dos sites Bet 365 e Fanatiz, baseados nos direitos adquiridos para transmissão para todo o mundo pela Zeus Sports Marketing e Stats Perform, que fornecem dados e direitos para os sites de apostas.

O presidente atleticano, Mario Celso Petraglia, lamentou pela opção das pessoas que se utilizaram do que ele chamou de “transmissão pirata” para acompanhar o jogo. “Todos sabíamos que era pirata e que alguns espertinhos estavam ganhando dinheiro com o nosso produto! Será que o brasileiro não aprenderá nunca que dar “um jeitinho”, “tirar vantagem em tudo” fere a ética e o moral e são atos desonestos!”, disparou em suas redes sociais. “Incentivar essa gente podre que vive explorando clandestinamente o futebol e nossos clubes só nos prejudica a médio e longo prazo! Morreria alguém se não visse os lances de forma visual da partida? Triste o que vi e ouvi ontem de pessoas do bem que naturalmente não pensam mais, são levados pela cultura, não criam mais juízo de valor sobre o certo e errado!”, escreveu o dirigente.

Aos torcedores, infelizmente, só cabe nesse momento esperar que as batalhas judicias para fazer valer ou não a “MP do Mandante” sejam concluídas, para saber se acompanha aos jogos do Furacão na TV, internet ou no velho radinho…



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…