O Fala, Atleticano é um canal de manifestação da torcida do Atlético. Os textos abaixo publicados foram escritos por torcedores rubro-negros e não representam necessariamente a opinião dos responsáveis pelo site. Os autores se responsabilizam pelos textos por eles assinados. Para colaborar com um texto, clique aqui e siga as instruções. Confira abaixo os textos dos torcedores rubro-negros:
3 nov 2020 - 14h32

No campo, 1 a 0 para o Flamengo. E fora?

No campo, 1 a 0 para o Flamengo. E fora?

Comparando as quatro receitas “fixas”, sendo elas: associados, bilheteria, patrocínio e televisão de 2019, do Athletico com as seis maiores de 2019, que foram: Flamengo, Palmeiras, Internacional, Grêmio, Corinthians e Santos, apenas “vencemos” em duas (de 24 análises) na bilheteria do Internacional e associados do Santos. O Grêmio não considera valor de bilheteria, devido sua política de sócio torcedor.

No confronto da Copa do Brasil, perdemos de 1 a 0 no campo e fora dele, somos goleados pela injusta distribuição da televisão. O Flamengo ganhou 134 milhões a mais que o Athletico.

É uma piada de mau gosto a divisão de cota da televisão no Brasil, porém o ano de 2019 foi histórico por alguns fatores:
– quebra do monopólio da Globo;
– modelo inglês de distribuição da tv aberta e fechada (Globo = 40% iguais, 30% transmissão e 30% performance/ Turner = 50% iguais, 25% transmissão e 25% perfomance);
– modelo igualitário, transmissão e performance não foi adotado no Pay-Per-View, o que levou toda desigualdade histórica da tv aberta para o PPV;
– ausência do Athletico no PPV;
– como consequência da ausência no PPV, o Athletico foi o que mais lucrou e apareceu na tv aberta.

Para ficar claro, o PPV ofereceu seis milhões de reais para o Athletico, mesmo valor para Avaí, Chapecoense, Goiás, Ceará, Fortaleza e CSA. Ou seja, esse grupo, o último entre 14, recebe 20 vezes menos que o Flamengo. Enquanto isso, mais de 50% do bolo é destinado a três clubes (Flamengo, Corinthians e Palmeiras).

Claro que é ruim e ninguém gosta de não ver todos os jogos na televisão, porém, uma instituição que é campeã nacional, internacional e intercontinental, não pode, como forma de auto respeito, aceitar migalhas, literalmente.

Nas partidas pelo Campeonato Brasileiro no PPV, Athletico x Flamengo, para nós 157 mil, para o Flamengo, 3,1 milhões. Contra o Corinthians, 157 mil x 2,8 milhões; contra o Palmeiras, 157 mil x 2,4 milhões. Não tem o menor sentido essa diferença, nem por tamanho de torcida, nem por audiência, nem por nada. Essa “cota” oferecida pelo PPV não paga nem a abertura da Arena.

Os números não mentem e o futebol precisa ser mais livre. E será! Basta, todos entenderem, que dessa forma o Flamengo, Corinthians, Palmeiras e demais não ganharão menos, mas os outros merecem ganhar mais. Bem como ter mais opções de canais e transmissões, não ficando refém de ninguém e a favor dos clubes.

Quem nunca foi ao estádio e não sabe a cor da camisa do time, vira torcedor na pesquisa do IBOPE que a televisão se baseia para distribuir verba e transformar clubes, deixando-os acima do bem e do mal.

SRN,
Fernando Henrique Kuchenbecker
Sócio do Club Athletico Paranaense



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…