6 jan 2021 - 21h07

O Rio de Janeiro continua lindo: no primeiro jogo da nova década, Furacão vence, afunda Botafogo e mira parte de cima da tabela

Após nove dias sem jogos, o Furacão – embalado por duas vitórias seguidas – enfrentou o Botafogo.

Depois da vitória de 3 a 0 sobre o Vasco na última rodada, o Athletico havia se distanciado seis pontos da ZR.

Paulo Autuori teve a possibilidade de repetir a escalação da última partida, com Jonathan na lateral e Richard no meio. Jadson foi, mais uma vez, opção no banco de reservas.

Jorginho, Ravanelli e Walter não foram relacionados por opção da comissão técnica. Azevedo (lesão no joelho) e Erick (lesão na coxa) seguem vetados pelo departamento médico.

O atual comandante rubro-negro reencontrou e enfrentou seu último time em que trabalhou como técnico. Quando ele assumiu o Furacão, o Athletico amargava a vice-lanterna do Brasileirão, mas desde então a equipe embalou, saiu da ZR e subiu seis posições.

Com o triunfo sobre a equipe carioca, o aproveitamento do Athletico no segundo turno é simbólico. São seis vitórias em nove jogos.

O Furacão, agora, almeja a parte de cima da tábua de classificação e vai em busca de uma vaga na Libertadores. O Clube assume – provisoriamente – a décima colocação, com 37 pontos e a dois de um possível G8.

Confira como foi o jogo:

1º Tempo

Primeira grande chance foi do Furacão, aos 12 minutos. Cobrança de escanteio, Richard desviou na primeira trave e Kayzer cabeceou forte – a bola explodiu no poste esquerdo de Cavalieri.

Dois minutos depois, o Botafogo recuperou a bola no meio. Nazário lançou Kalou e o marfinense invadiu a área, ajeitou e bateu colocado, muito próximo ao travessão.

KAYZER! Sempre ele! Aos 30, jogada iniciada com Nikão que acionou Carlos Eduardo na direita. Ele cruzou rasteiro, na medida, para o artilheito meter pro fundo das redes! 1 a 0 Athletico!

Victor Luiz levantou na segunda trave e, cara a cara com Santos, Kalou chegou mal na bola e mandou por cima da trave, aos 33.

41 minutos e Victor Luis levantou no meio da área. Pedro Raul desviou de cabeça e, sozinho no segundo pau, Kalou perdeu mais uma chance e mandou para fora.

Primeira etapa eficiente do Furacão. Foram dez chutes a gol dos mandantes, contra apenas dois do Athletico (as duas oportunidades com Kayzer que recebeu o terceiro cartão amarelo e desfalcará o time no clássico da próxima rodada).

2º Tempo

CITTADINI! Logo aos 3 minutos, Kayzer fez jogada pela esquerda e cruzou na área. Carlos Eduardo dividiu, a zaga afastou mal e Cittadini não desperdiçou, batendo de direita, sem chances! 2 a 0 Athletico!

Dois minutos após, Victor Luis chegou na linha de fundo e cruzou para Kalou que cabeceou para fora.

Aos 17, Kevin levantou no segundo pau e Pedro Raul subiu pra cabecear no ângulo, mas sem força, para tranquila defesa de Santos.

Aos 39 minutos, Victor Luis perdeu a bola no meio, Reinaldo avançou costurando a defesa, mas Cavalieri se adiantou para impedir a finalização e o terceiro gol rubro-negro.

Victor Luis cruzou na área e Pedro Raul cabeceou com perigo. O arqueiro do Athletico defendeu e mandou para escanteio. Eram 47 minutos.

Ficha técnica

Campeonato Brasileiro – 06/01/2021 – 28ª Rodada

Botafogo 0 X 2 Athletico

Local: Estádio Nilton Santos.

Horário: 19h15.

Árbitro: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC).

Cartões amarelos: Nikão, Kayzer (CAP); Benevenuto, Babi, Caio Alexandre (BOT).

Cartões vermelhos: – .

Gols: Kayzer (30’ 1T), Cittadini (3’ 2T).

Athletico: Santos; Jonathan (Canesin), Pedro Henrique, Thiago Heleno e Abner; Richard (Alvarado), Christian (Aguilar), Cittadini e Carlos Eduardo (Reinaldo); Nikão (Khellven) e Kayzer. TC: Paulo Autuori.

Botafogo: Cavalieri; Kevin (Barrandeguy), Benevenuto, Kanu e Victor Luís; Zé Welison (Cesinha), Caio Alexandre, Cícero (Babi) e Nazário (Lecaros); Kalou (Rhuan) e Pedro Raul. TC: Eduardo Barroca.

Próximo confronto

O Athletico retorna a campo no sábado, 09/01, às 19h00, para a disputa do clássico Atletiba, no Couto Pereira.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…