3 fev 2021 - 21h41

Nilson Borges

Em 1968, quando chegou ao Athletico, não demorou muito para arrancar sorrisos da torcida rubro-negra. Pela ponta esquerda do campo, bem próximo às arquibancadas, encarava os carrancudos marcadores, que se irritavam ao vê-lo passar de maneira tão fácil por eles. Caíam sentados, humilhados, se levantavam em busca de recuperar a dignidade e logo se viam no chão novamente, para gargalhada geral do povo atleticano.

Não que fosse falta de qualidade dos zagueiros. É que simplesmente era impossível tomar a bola de Nilson, o Bocão. Isso porque ele a fazia sumir. Uma passada de pé por cima da bola e ela já não estava mais lá. Reaparecia quando Nilson queria, e onde ele queria. E foi assim que consagrou muitos companheiros, limpando o campo e os servindo, para faze-los sorrirem também.

Parou de jogar porque os zagueiros, incomodados por serem motivo de riso, só tinham uma forma de parar Nilson. E o pararam, pelo menos dentro de campo.

Fora dele, Bocão seguiu fazendo o que fazia de melhor do lado de dentro. Serviu ao Athletico como servia aos atacantes, fazendo sorrir a todos que viviam o dia a dia do clube. Comeu, dormiu e respirou Athletico por mais de 50 anos. E se por força do nome o CT do clube é “do Caju”, é justo dizer que, por usucapião, a grande fábrica de atletas do Athletico é e sempre será, também, do Bocão – o ídolo que foi feito de riso: da torcida, dos companheiros, dos funcionários do clube, do seu próprio, e de todos os risos rubro-negros que ainda estão por vir.

 

Uma homenagem ao craque e ídolo Nilson Borges, que nos deixou hoje, 03 de fevereiro de 2021. Descanse em paz, Bocão.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…