9 maio 2021 - 21h56

Não tem mãe que elogie isso! Sem inspiração, Athletico apenas empata com o Maringá na Baixada.

Neste domingo de dia das mães (9), o Furacão recebeu o Maringá na Baixada com a oportunidade de dar um salto na tabela de classificação do Campeonato Paranaense e, de quebra, garantir a vaga nas quartas-de-final da competição.

Entretanto, repetindo os mesmos erros que têm marcado a sofrível campanha do time comandado por Bruno Lazaroni, o Rubro-Negro ficou apenas no empate por 2 a 2 com a equipe do norte do Estado, uma das piores da competição e que luta contra o rebaixamento.

Com o resultado, o Furacão segue em posição incômoda na tabela e ainda corre riscos de não se classificar para a próxima fase. Desse jeito, não tem coração de mãe que aguente!

Equilíbrio na etapa inicial

No primeiro tempo, o que se viu em campo foi um jogo equilibrado. O que não significa que tenha sido bom. Precisando vencer para tentar escapar do rebaixamento e beliscar uma improvável classificação, o Maringá não se intimidou e tentou buscar o jogo, mas sem muita eficiência. Por seu turno, o Athletico mantinha a posse de bola sem criar nenhum lance agudo que pudesse levar perigo à meta de Lucas Alves. E foi do Maringá a primeira boa chance de gol, aos 30′, quando o meia Bassani meteu uma bola na trave de Anderson em cobrança de falta. Minutos depois, em confusão na área atleticana, a bola bateu no braço de Alvarado e o árbitro assinalou pênalti para o Maringá, muito contestado pelos rubro-negros. Na cobrança, Bassani abriu o placar aos 36′. Tentando reagir, o Furacão foi para cima para buscar o empate. Aos 43′, Nikão desperdiçou boa chance ao receber cruzamento de Jaderson. Mas, aos 48′, o camisa 11 não perdoou e marcou um belíssimo gol de voleio, deixando tudo igual no placar.

A covardia custou caro, mais uma vez

O Rubro-Negro voltou do intervalo disposto a virar a partida, e logo conseguiu. Aos 6′, Nikão fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Mingotti que, de cabeça, tocou para as redes. Furacão 2 a 1. Mas então aconteceu novamente o que sempre acontece: com a vantagem no placar, o time resolveu recuar para segurar o resultado. Postura que não cansa de se repetir e que nunca deu certo. Sem mostrar vontade de resolver a partida, o Athletico foi chamando o adversário para cima e o inevitável aconteceu. Aos 31′, de maneira afoita e irresponsável, o zagueiro Lucas Halter entrou de carrinho numa dividida dentro da área. Malandro, o atacante do Maringá se jogou e o juiz apontou para a marca da cal. O segundo pênalti para o Maringá que, convertido por Bassan aos 32′, deu números finais à partida.

Sem descupinhas

Com mais um péssimo resultado dentro de casa, a equipe de Lazaroni amarga a 6ª posição na tabela do Paranaense, com apenas 13 pontos conquistados em 9 jogos. A vitória, que colocaria o Rubro-Negro em 3º e selaria a classificação para a próxima fase, não veio em virtude da falta de organização tática e da absoluta ausência de vontade de ganhar. Se por um lado é possível questionar os pênaltis marcados pela arbitragem, por outro é inquestionável que o Athletico mostrou, mais uma vez, futebol condizente com a posição que ocupa na tabela. Não dá mais pra aguentar essa apatia!

A sequência

Pelo certame estadual, o Athletico volta a campo na próxima quarta-feira (12), contra o Londrina, que nesta rodada derrotou o Coritiba por 1 a 0. Antes disso, na terça (11), a equipe principal encara o Metropolitanos, pela Sul-Americana, em busca da classificação.



Últimas Notícias

Libertadores

Vamos, oh meu Furacão

Os pouco mais de 1.800 km que separam Curitiba de La Plata começaram a ser enfrentados por centenas de atleticanos desde o último fim de…