15 jun 2021 - 20h14

Nem wifi! Dupla de zaga rubro-negra ostenta excelentes números

Não só de zagueiros é feito um sistema defensivo. A colaboração de todos os jogadores do time na recomposição ou na pressão para recuperar a bola é a chave para qualquer equipe que queira ter bons números na zaga. Mas em que pese a importância de todos os jogadores, é inegável que o maior fardo é sempre carregado pelos zagueiros. Se o time vai mal na defesa, as críticas sobram para eles (e para o goleiro). Então nada mais justo do que usar a mesma régua para medir também o sucesso no desempenho defensivo de uma equipe. E se depender da sua dupla de zaga titular, a torcida atleticana pode dormir tranquila.

Thiago Heleno é ídolo e um dos maiores zagueiros da história do Furacão. Desde 2016, quando o defensor começou a atuar pelo clube, o Athletico esteve entre as três melhores defesas do Brasileirão em três oportunidades (2016, 2019 e 2020).

Tal qual Thiago Heleno, Pedro Henrique parece ter encontrado seu lugar no rubro-negro. Contestado no Corinthians em suas duas passagens, no Furacão o zagueiro ostenta ótimos números, sobretudo quando joga em parceria com o General.

Embora tenha sido contratado por empréstimo em junho de 2019, Pedro Henrique só atuou com Thiago Heleno em uma oportunidade naquele ano, no empate em 0 a 0 com o Avaí pela última rodada do Brasileiro. Após seu retorno em 2020, aos poucos foi ganhando status de titular e se firmando como dupla oficial de Thiago Heleno.

Ao todo a dupla jogou junta em 38 partidas até aqui e os números são excepcionais: são apenas 27 gols sofridos, com uma média de 0,71 gols por jogo. Para se ter uma comparação, na história dos pontos corridos só houve 4 times com médias de gols menores: São Paulo em 2007 (0,5 gols sofridos por jogo), Corinthians em 2013 (0,58), Grêmio em 2014 (0,63) e Palmeiras em 2018 (0,68). Outro dado importante é que jamais um clube que terminou com essa média de gols sofridos no Brasileirão ficou abaixo da décima colocação.

Ao longo da parceria, a dupla acumula nada menos que 20 clean sheets e apenas 5 partidas em que sofreu mais do que um gol. Ótimos números, sobretudo considerando que a dupla atuou junta apenas em competições de alto nível (Brasileirão, Libertadores, Copa do Brasil e Sulamericana).

O excelente desempenho defensivo do Furacão vem garantindo um início de ano sólido, com a melhor defesa da primeira fase da Sulamericana e sem ter sofrido nenhum gol nas primeiras 3 rodadas do Brasileirão. E a julgar pelo desempenho histórico da dupla atleticana, quem tem que aprender a arte de “saber sofrer” são os atacantes adversários.



Últimas Notícias

Copa do Brasil

Era uma vez…..

…. um time que vencia mas não convencia. Um time que tinha alguns padrões bem definidos e que quase sempre se repetiam jogo após jogo:…