24 ago 2021 - 15h04

Sem eficiência e pecando na eficácia?

Chegamos em um momento importante da temporada: reta final da Copa Sul-Americana e da Copa do Brasil. Justamente em tempos de decisão, o rendimento do Athletico desperta certa preocupação no torcedor.

Em um levantamento dos últimos 15 jogos, o Athletico sofreu gol em 14 partidas. Apenas contra o América de Cali, na Colômbia, a equipe não foi vazada. Nesse período, o Furacão sofreu 20 gols. Em 15 deles, houve falhas individuais; os outros 5 ocorreram por falhas coletivas.

Gols sofridos

Há basicamente duas maneiras de um time marcar ou sofrer gols: mérito próprio em jogada trabalhada, falhas coletivas ou individuais dos oponentes, que podem acontecer de maneira forçada, falta de qualidade, desatenção, excesso de confiança, falha cognitiva, ansiedade.

O futebol moderno foca muito em ocupação de espaços. Leva vantagem quem consegue desequilibrar o adversário, sendo rápido e ágil, nos espaços com menor quantidade de oponentes.

É por isso que jogadores com o perfil “Bruno Guimarães” são muito valorizados. Atletas com essas características têm uma imensa facilidade em virar o jogo, inverter a bola para os lados do campo com menor número de adversários, fazendo o jogo fluir de maneira mais limpa e rápido.

Quem consegue ocupar de maneira equilibrada cada fase do jogo leva vantagem. Apesar de estar vivo nas 4 competições que iniciou a temporada, essa instabilidade defensiva pode acabar custando caro, pois jogos de mata-mata não permitem erros. Nos últimos jogos, muitos erros estão acontecendo…

Retrospecto recente

Nesse breve recorte de 15 jogos, o Furacão perdeu 7 (Santos, Cearaá Atlético-MG, São Paulo, LDU, Cuiabá e Corinthians), empatou 2 (Bragantino e Atlético-GO), e venceu 6 (Fortaleza, América de Cali 2x, Internacional, Atlético-GO, LDU). Com o afunilamento das Copas, haverá adversários cada vez mais difíceis, em jogos em que um único erro pode ser fatal.

Se o Athletico tem pretensões maiores para a temporada é importante a equipe voltar a ter uma eficácia defensiva e uma maior eficiência no ataque.

Meio-campo defensivo

Defendendo, é notável a capacidade do Richard em desarmar, roubar a bola. Quando está em posse, também é notório o quanto ele tem dificuldades para ser ágil, dar um passe de primeira, encontrar um companheiro melhor posicionado, acelerar, ou virar o jogo, dessa forma a equipe fica sempre com um jogo lento, monótono e previsível.

Erick, seu substituto nos últimos jogos, nunca consegue ter uma sequência. Nos momentos finais do jogo contra o Corinthians, demonstrou problemas físicos.

Os adversários já perceberam isso, sobem a marcação e pressionam o Athletico no campo de defesa, deixando o Furacão acuado.

Já está na hora de António Oliveira pensar em um meio-campo leve, móvel, com melhor saída de bola, maior dinâmica de jogo, que em poucos passes possa sair da defesa e chegar no ataque. Com os jogadores que o elenco oferece hoje, Léo Cittadini, que já fez essa função, pode voltar a ser uma opção.

Cittadini consegue variar bastante os espaços percorridos em campo, direita, esquerda, movimentações centrais, aproximando a defesa do ataque, Citta tem um passe mais qualificado e uma visão mais ampla do jogo, acredito que o autor do 1° gol na final da Copa do Brasil de 2019, Pode ser muito mais útil ao time titular.



Últimas Notícias

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…