15 dez 2021 - 7h09

O Dia do “F*da-se”

Será que o autor deste texto enlouqueceu? Será que está pouco se lixando pra uma final tão importante? Largou realmente os bets? Não, não. Nada disso!

Ontem à noite, zapeando no grupo da Furacao.com e principalmente relendo as brilhantes matérias dos meus amigos e ídolos Juba, Doc, Toti e Leandrão, percebi o Atleticanismo em doses cavalares presente em cada uma de suas emocionantes palavras. Inclusive recomendo fortemente a leitura dos textos de ontem e hoje.

Vi também em tantas postagens da internet pessoas que desacreditam de uma possível remontada, face a todas as adversidades dos últimos dias, principalmente à queda de rendimento do escrete de Alberto Valentim. Coisa que não vem de hoje, mas de pelo menos 40 dias atrás, desde o segundo tempo no 2×2 contra o Flamengo na Baixada.

Então vou te falar. Quer saber mesmo? Sim, é difícil. Sim, é quase impossível. Sim, são muitos zeros depois da vírgula pra uma chance de probabilidade real em prol do Athletico.

Mas quer saber também?

F*DA-SE!!!!! Eu, Marcelo Ostrowski, estarei lá, não importa o que aconteça.

F*DA-SE se o time dos caras tem mecenas, é multimilionário, montou o melhor elenco do Brasil e leva a vantagem de 4×0 no jogo de ida.

F*DA-SE se o líder do grupo (Thiago Heleno) foi suspenso e o maior craque (Nikão) não puder jogar. Nossa história nos mostrou capazes de criar heróis improváveis: Ziquita, Lima, Dirceu Carrasco, Manguinha e tantos outros.

Hoje pra mim Canesin será um Iniesta. Cadu será um Mbappé, Kayzer será um Ibra, Zé Ivaldo será um Baresi. Forcei? Lógico. Mas vou empurrar o time e condicionar meu cérebro como se eles fossem isso!

Porque eu já voltei embora pra casa a pé por 16km, sem ônibus, de um longínquo Pinheirão depois de tomar 6 numa Copa do Brasil em 1997. Sofri tanto que cheguei a prometer que nunca mais iria a uma partida de futebol. Cá estou eu novamente, insano por essa comorbidade chamada Athletico.

Já saí numa noite chuvosa de quarta-feira pra empurrar craques como Pádua, China, Mastrillo, Luis Américo, Edenilson Pateta, Barbosa e Pirata, treinados pelo horroroso Sérgio Cosme e vê-los empatar com o Matsubara.

Por que não faria a mesma coisa agora, no melhor momento de nossa história, numa finalíssima de Copa do Brasil?!?! “Seloko!”

F*DA-SE se a Globo nos ignora. Se periódicos clubistas do Eixo RJ/SP ainda discutem se somos grandes.

F*DA-SE se o Daronco estará no apito. Se o VAR terá o mesmo salafrário que não chamou a arbitragem na entrada criminosa do Reinaldo sobre Renato Kayzer.

F*DA-SE se todos os prognósticos sejam todos os mais contrários possíveis! Eu estarei lá!!!!

E eu quero ver vocês lá! Bebendo e conspirando! Quero estar com vocês cantando os 90 minutos. Tão alto a ponto de atrapalhar a narração das emissoras. Tão alto a ponto de fazer uma possível medalha de prata ser mais comemorada que a de ouro.

Quero sair tropeçando na sombra. Abraçado com meus irmãos rubro negros. De todas as classes. De todos os gêneros e de todas as raças. Quero poder fazer a festa mais linda de todas.

O que eu quero mesmo é sentir o Athletico pulsando dentro das veias, ao ponto de disparar o coração e impulsionar o grito mais forte dentro da Baixada.

O título? Seria sensacional.

Mas quer saber?

FODA-SE!!! (E este, sem censura e sem “*”, proposital)

O melhor de tudo é tão e simplesmente ser atleticano. E ter o privilégio de estar lá, no momento mais importante destes 97 anos de existência.

Te vejo hoje na Baixada!



Últimas Notícias

Notícia

Deu tela azul, no Azuriz

Pela sexta rodada do Campeonato Paranaense o Athletico recebeu o Azuriz. E desde o início demonstrou que está em franca evolução. Já aos 4 minutos,…