15 dez 2021 - 15h38

O Furacão é copeiro!

 

Desde que me entendo por gente, se me perguntarem o que mais me encanta no Furacão eu responderei sem titubear: o seu espírito de luta, o perfil aguerrido, a raça intrínseca, a capacidade de transcender seus limites, o Caldeirão que se forma em momentos de necessidade e, sobretudo, a incondicionalidade do amor da sua torcida.

Aliás, se olharmos para a nossa história percebemos que nossos maiores marcos são exatamente aqueles em que percebemos o reflexo desses atributos, assim como nossas maiores decepções são aquelas em que não reconhecemos o nosso Athletico em campo, ou seja, quando essa vontade de superar limites não é demonstrada.

Mas o fato é que durante anos sustentamos a nossa paixão em insights de superação, em jogos onde heróis improváveis surgiam, em momentos de “quase” com luta. Partidas memoráveis possuíam o impacto de taças e a festa na arquibancada sempre independeu do tamanho da partida. Só que independente do adversário, uma coisa é certa, quer ver o atleticano “sair do corpo” e entregar a alma em prol do time é naquele momento em que o Furacão está mais no sufoco. O instinto toma conta e faz com que a gente também entregue o algo mais. As remontadas que a Baixada já presenciou que o digam!

Atualmente, temos a plena consciência de que o Athletico precisa fazer diferente, principalmente em razão do abismo que nos separa dos Clubes mais ricos e privilegiados, o que nos impõe esse posicionamento mais ousado para irmos além da mera sobrevivência nesse meio.

Ou seja, para cada passinho que a gente dá é preciso ser muito copeiro, porque nada será nos dado de mão beijada.

Basta analisarmos um pouquinho da nossa história recente para tudo isso ficar ainda mais claro: em 2001 não tínhamos o melhor elenco daquela edição do Brasileiro, éramos o time de bairro lutando contra tudo e contra todos, o time que batia, dos baladeiros e que ninguém dava bola, nos superamos e fizemos história. 2005 tínhamos um time extremamente limitado e aos trancos e barrancos chegamos numa final de Libertadores, fomos prejudicados no extracampo e aquela mudança de arena até hoje mexe com o nosso imaginário. 2018 e 2019, não tivemos grandes investimentos, equipes que descenderam de um aspirante com a alcunha de “time de guerra”, onde se mesclava o talento de alguns com a vontade de vencer, alçamos voos inimagináveis que forjaram o nosso patamar atual. E este ano não está sendo diferente, um time desacreditado, com inúmeras limitações, instável, montado sem muito capricho, esta indo muito além de todas as expectativas.

Não é exagero levantar que talvez esse seja o Athletico mais copeiro de todos os tempos!

Mas afinal, o que é ser copeiro? Certamente não é apenas ‘quem’ ou ‘o que’ copa. Essa expressão carrega muito mais significado, traz consigo a guerra, o brio, a coragem e a persistência.

Ser copeiro não é figurar como participante de campeonatos, mas lutar por eles, honrar cada Copa. É não se conformar com resultados negativos, com gols tomados, é ficar puto com o companheiro num momento de desatenção, é vibrar com cada bola para o “mato” e jogar como se aquela fosse a ultima partida da sua vida.

É não aceitar a derrota, mesmo que inevitável, e – se ela vier – que seja num alto preço!

Ser copeiro é reconhecer suas limitações e jogar com estratégia, e jamais permitir que o oponente deseje cada bola mais do que você! É flertar com o impossível e rir da cara dele.

Ser copeiro é fazer o que fizemos com a LDU em nossos domínios, é enfrentar um Peñarol sedento com mais vontade do que eles, é fazer história num Maracanã estrelado e carimbar o passaporte para mais uma final de Copa do Brasil… e, tudo isso, contando com um elenco curto, um técnico questionável e sem figurões.

O fato é que a gente sempre se identificou como copeiro, mas hoje podemos dizer que foi através dessa postura que alcançamos tudo o que temos, e que nos tornamos aquilo que somos! E se muitos clubes dependem de elenco específico para formarem times copeiros, o Athletico possui isso na sua cultura e, em sua torcida, a grande incentivadora.

Por essas e outras é que hoje temos que desempenhar aquilo que somos. Mais do que nunca é preciso ser copeiro! Não só pela taça, mas porque essa é a nossa vida!

Hoje, vamos fazer aquilo que sabemos, lutar contra as adversidades e desfrutar das delícias e desassossegos de sermos rubro-negros!

 

(Foto: CONMEBOL)


Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…