1 fev 2022 - 14h48

Até onde podemos chegar?

O time que foi vice campeão brasileiro (já na era dos pontos corridos), perdendo por muito pouco para o Santos de Robinho e cia limitada tinha o então Bola de Prata o goleiro Diego, uma geração de piás do Caju com Fernandinho, Jadson e Dagoberto, uma aposta clínica, mas não técnica como Washington e a experiência de Marcão, Fabiano e Marinho. E quando um dos craques do time se machuca, o clube encontra “do nada” e recém saído de litígio com seu ex-clube um Oseas revival, um atacante chamado Denis Marques que deu conta do recado.

E o que o clube fez para disputar em grande estilo sua terceira Libertadores da história? Deu o comando técnico ao desconhecido Casemiro Mior, vendeu quase todo mundo de 2004, trouxe apostas como Danilo e André Rocha, deu a milésima chance para Evandro e contratou jogadores muito questionados como Lima, Maciel, Fabricio e Baloy. Esse time sofreu para passar da 1ª fase daquela Libertadores e depois de trazer um treinador de verdade, o Delegado Antonio Lopes, engrenou, criou uma casca poderosa chegando até as finais da competição de uma maneira surpreendente e até mesmo improvável.

Fabiano e Marinho compunham a defesa do time de 2004.

Mas o improvável acontece! Depois de um biênio glorioso como foram 2018/19, não custando lembrar que no primeiro ano estávamos na zona de rebaixamento e sofrendo com as invencionices sem sentido do treinador Diniz, reformulamos o elenco e investimos muito em jogadores com qualidade pra lá de duvidosa. Nunca o clube gastou tanto, mas infelizmente a maioria das contratações de 2020 (principalmente) e 2021 não trouxeram o retorno esperado.

Lembro disso para elogiar a movimentação deste início de 2022. O Athletico não foi afoito, não se abateu com algumas negativas e tampouco fez as já famosas contratações só de ocasião. Ainda há posições estratégicas onde temos que contratar? Sem dúvida, um time, em tese, nunca estará 100% pronto e fechado. Mas é inegável que a direção foi cirúrgica, paciente e deu botes certeiros em trazer vários jogadores para serem titulares e trouxe ainda um bom nível de atletas para compor o elenco, entrar no sistema de rodízio e ter uma melhor preparação para quem disputará muitas competições este ano (Paranaense, Recopa, Libertadores, Copa do Brasil, Brasileiro).

Certeza de que vai dar certo? Não e isso é impossível. Mas é inegável que a chance de funcionar, de dar certo, de engrenar são MUITO maiores com a manutenção dos bons valores dos anos anteriores mais a vinda de Hugo Moura, Matheus Fernandes, Bryan Garcia e as possíveis efetivações de Victor Bueno, Pablo e especialmente o meia armador Marlos.

Resta agora verificar se o treinador Alberto Valentim, de grande carisma e identificação com o clube está no patamar adequado para fazer esse time “dar liga” e mostrar algo a mais do que foi apresentado em 2021. Se ano passado ele pegou o bonde andando e um elenco com enorme disparidade entre titulares e reservas, pode e deverá ser cobrado em mostrar melhor performance e resultados tendo tempo disponível e melhor material humano a seu dispor.

Até onde podemos chegar? Só o tempo e os resultados dirão. Mas a expectativa é grande.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…