1 abr 2022 - 16h17

O adeus de um ídolo

É irônico se propor a cumprir a função de guardar redes. Afinal, o objetivo maior do futebol, o momento da alegria, é o gol. É também irônico que o goleiro seja o único que possa usar as mãos, uma vez que o futebol se joga com os pés. É quase como se o camisa 1 estivesse sempre indo na contramão.

O atacante que perde um gol, o meia que erra um passe, o zagueiro que comete um erro. Todos eles podem se redimir. Um erro do goleiro sempre estará marcado. “Só o arqueiro tem que ser infalível”, definiu Nelson Rodrigues em seu texto para a Manchete Esportiva em 30 de maio de 1959.  Já Eduardo Galeano, em sua grande obra Futebol ao Sol e à Sombra, fala que o goleiro sempre tem culpa.

E a torcida cumpre o papel principal nessa novela. Ela sempre vai estar lá para apontar e cobrar os erros, mesmo que eles demorem para acontecer. Porque errar é humano e o guarda redes, por incrível que pareça, também é. E, invariavelmente, vai errar.

Nesse turbilhão, é difícil para um ator dessa função se tornar ídolo de um clube. No Athletico, talvez ainda mais nos dias de hoje, levando em conta os tantos grandes goleiros que o clube teve durante seus 98 anos de história. Nosso Centro de Treinamentos, um dos mais modernos do América Latina, leva o nome de um deles.

Aderbar dos Santos Neto chegou ao ainda Atlético em 2009, vindo de uma parceria com o Clube Atlético do Porto, em Caruaru, Pernambuco. Chegou como Aderbar, mas o nome difícil herdado do avô é comumente trocado por algo mais simples. A tendência era se tornar “Neto”, mas já havia um por aqui e o jovem de 19 acabou adotando a alcunha de Santos.

Santos estreou em 2011, na derrota contra o Flamengo na Sulamericana, mas não foi titular naquele ano. Ao fim da temporada, com o clube rebaixado, também não. Weverton foi contratado junto à Portuguesa e assumiu a titularidade. Santos aguardou e viu o colega ser alçado à condição de ídolo do clube, contando com convocações para a seleção brasileira e sendo o titular do medalha de ouro olímpica inédita.

Enquanto Weverton fazia defesas na seleção, Santos brigava para se defender por aqui. Contestado por grande parte da torcida, Santos passou anos à sombra do camisa 12 buscando seu lugar ao sol. A oportunidade veio em 2018, quando Weverton foi contratado pelo Palmeiras.

Depois de quase 10 anos de clube, Aderbar agarrou a chance de titularidade com qualidade. Sem muita mídia, guardou as redes atleticanas como poucos. Ganhou a simpatia da torcida, claro, mas também muito mais que isso. Foram dois estaduais (2016, 2020), duas Sulamericanas (2018, 2021), Levain Cup (2019) e a Copa do Brasil (2019).

Como se não bastasse o sucesso por aqui, Santos também foi titular nas olímpiadas e trouxe mais uma medalha de ouro para o Brasil, além de ser convocado para a seleção principal e ser um dos potenciais selecionáveis para a Copa do Mundo no fim do ano.

Não faltaram momentos para se eternizar aqui, mas o pênalti defendido na semifinal da Copa do Brasil em 2019, contra o Grêmio na Arena da Baixada, parece ser o mais marcante deles. Uma remontada do tamanho da história dele no Furacão.

Agora é hora do adeus. Seu destino pouco importa, pois sai pela porta da frente. Sai ídolo, consagrado, campeão e referência. Sai como símbolo de uma geração que ganhou tudo e que colocou o Athletico, de fato, entre os grandes clubes do país. Sai de campo, mas permanece no coração do torcedor.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…