1 abr 2022 - 14h11

Tribunal de Contas manda que Estado e Município formalizem aditivo ao tripartite

O Tribunal de Contas do Estado do Paraná deu uma decisão favorável à CAP S/A – ARENA DOS PARANAENSES na disputa com o Estado do Paraná e o Município de Curitiba pelos custos adicionais de reforma da Arena da Baixada.

A decisão foi divulgada nesta quinta-feira, no âmbito do processo 484.473/21. O Relator do caso foi o Conselheiro Fernando Guimarães. Por cinco votos a um, os Conselheiros julgaram parcialmente procedente a denúncia da CAP S/A.

O que a CAP S/A pediu

O pedido da CAP/SA era para que Estado e o Munícipio fossem obrigados a formalizar um novo termo aditivo ao Convênio Tripartite com o valor final da obra sendo de R$346.246.274,19, e a divisão equitativa desse valor entre as três partes (CAP S/A, Estado e Município).

O que o TCE decidiu

O pedido foi acolhido parcialmente porque o Tribunal de Contas não entrou no mérito do valor e das contas necessárias para as ampliações exigidas pela FIFA.

Mas reconheceu que Estado e Município têm sim o dever de arcar em partes iguais com a CAP S/A. Os órgãos públicos alegavam que isso não seria possível porque as ampliações não estavam previstas no compromisso original.

Nesse ponto, o Tribunal de Contas decidiu que essas despesas de ampliação não são despesas novas, mas mera decorrência lógica do ajuste original:

  • “Cabe ressaltar que a determinação proposta não implica realização de despesas públicas novas. Despesas resultam de obrigações. Se recursos foram aplicados na obra para atender exigências unilaterais e supervenientes da FIFA e esses custos não são consequência de má gestão do CAP S.A, a obrigação jurídica das demais partes de contribuir com sua parcela de responsabilidade já nasceu como consequência dos termos do convênio. Cabe apenas, portanto, adimpli-la.”

Para garantir a segurança jurídica, o Tribunal de Contas mandou que as partes promovam um termo aditivo “para que o Convênio no 19275 seja definitivamente resolvido com quitação para as partes, para mitigar riscos de prejuízos futuros aos cofres públicos estaduais e municipais”.

Prazo de 30 dias

O Tribunal de Contas fixou um prazo de 30 dias com a seguinte determinação:

  • “3.2. determinar ao Estado do Paraná e ao Município de Curitiba que, no prazo máximo de 30 (trinta) dias contados da publicação desta decisão, apresentem a esta Corte termo aditivo ao Convênio Tripartite no 19.275 que contemple a quitação de todos os compromissos das partes referentes à divisão dos custos adicionais suportados pelo denunciante CAP S.A. para reforma e adaptação do Estádio Joaquim Américo Guimarães para realização da Copa do Mundo de 2014 da FIFA em Curitiba”.

A íntegra do voto

Confira abaixo a íntegra do voto que foi acolhido pelos Conselheiros e resultou no acórdão 701/2022:

 

Link para baixar o arquivo pdf



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…