11 maio 2022 - 19h32

Don Marco: que sorte tivemos!

Meu pai sempre me disse que um artilheiro precisa ser bom de bola, mas também precisa ter sorte. Talvez essa seja a característica que gera essa mística tão grande na posição. Quantas vezes ouvidos que fulano fez “tudo certo”, mas na “hora de concluir” faltou “sorte”. Aliar esses dois quesitos talvez seja o grande desafio do camisa 9, especialmente no mundo globalizado em que qualquer erro, por menor que seja, é rapidamente viralizado em uma rede social qualquer e a torcida inteira crucifica o atleta.

Don Marco não passou por isso. Longe disso, aliás. Fez de sua jornada no Athletico tão marcante e incrível, quanto curta. Sua mística despontou logo no anúncio de sua contratação, quando decidiu vir da Argentina de carro, tomando mate com o irmão. Dali, mostrava o comprometimento com uma torcida que ainda nem conhecia, mas que já se apaixonava.

Mas mística e sorte não alimentam um atacante. O camisa 9 precisa de bola na rede para satisfazer a sua fome, e a da torcida. Ciente disso, Marco fez questão de balançar as redes logo no primeiro amistoso, aumentando a simpatia da torcida. Lembro de dizer ao meu pai: “esse argentino é craque, não tem erro”. “Craque eu ainda não sei”, respondeu, “mas sorte ele tem”.

Protagonista nas noites mais épicas que a Arena da Baixada vivenciou nos últimos anos, marcando três gols contra o Boca Juniors pela Libertadores e o segundo na remontada contra o Grêmio na semifinal da Copa do Brasil, Marco virou sinônimo de matador rapidamente, fazendo gols importantes e se movimentando sempre de maneira inteligente, por vezes dando assistências ou gerando espaços para os colegas.

Mesmo no triste episódio do falecimento do seu pai, Don Marco ficou, fiel e focado nas ambições do clube, mostrando, uma vez mais, classe e profissionalismo. Ao fim do contrato, pediu para retornar ao Rosario Central e foi atendido pela diretoria.

Sorte. Aquela que todo artilheiro precisa ter, foi a mesma que nós, torcedores, tivemos com Marco Ruben. Sorte de passar um ano admirando e comemorando seus gols. Foram apenas 42 jogos, com 13 bolas na rede e 5 assistências, e um título inédito da Copa do Brasil, além de um confronto memorável contra o River Plate na Recopa. Por isso, por toda parte, quando se houve “Marco”, a única resposta possível é “Ruben”.



Últimas Notícias

Opinião

Passo a passo

O mundo anda acelerado demais. Era um processo que já vínhamos passando mas parece que se acelerou no período pós pandemia, pois todo mundo parece…

Brasileiro

Empate com gosto amargo

Na última partida do domingo (18), Athletico e Cuiabá se enfrentaram pela 27ª rodada do Brasileirão no Joaquim Américo diante de pouco mais de 17…