24 mar 2024 - 22h17

Centenário: 2022 – O Vice da Libertadores

O ano de 2022 começou para o Furacão, como de praxe, com a disputa do Campeonato Estadual, que após uma fase inicial em que o Rubro-Negro terminou na terceira colocação geral, encerrou-se com uma eliminação athleticana na semifinal da competição.

Contudo, o certame estadual era a menos importante dentre todas as competições que o Athletico tinha ainda pela frente, isso porque o Furacão teria também a Copa Libertadores da América e a Copa Do Brasil, além do Campeonato Brasileiro e da Recopa Sulamericana em disputa.

 

Recopa Sulamericana

Na disputa da taça que colocava frente a frente o campeão da Libertadores da América e o campeão da Sulamericana, o Athletico não conseguiu uma vantagem que o colocaria em situação favorável para ser campeão da Recopa. Na primeira partida na Arena da Baixada o Furacão fez dois gols com os meias David Terans e Marlos, mas cedeu o empate para equipe paulista. Já no segundo jogo a equipe athleticana não foi párea para os comandados do técnico Abel Ferreira, e acabou perdendo por 2 a 0 no Allianz Parque ficando assim com o vice campeonato.

Copa do Brasil

Pela competição mais democrática do país, o Rubro-Negro entrou diretamente na terceira-fase e enfrentou a equipe do Tocantinópolis (TO). No agregado 9 a 2 para o Furacão, com um 5 a 2 em Tocantinópolis e um 4 a 0 em Curitiba. Nas oitavas de final dois confrontos difíceis contra o Bahia, porém com dois resultados de 2 a 1 o Athletico avançou mais uma vez para fase seguinte da copa. Nas quartas de final o Athletico enfrentou os cariocas do Flamengo, o confronto foi o quarto em sequência entre as equipes em uma eliminatória da Copa do Brasil.

A expectativa era enorme entre os torcedores athleticanos, isso porque após um 0 a 0 no Maracanã, o CAP trazia a decisão para a Arena da Baixada. Porém após mais de 90 minutos de disputa a equipe athleticana acabou sendo eliminada da competição, afinal perdera por 1 a 0 mesmo jogando em casa.

 

Libertadores da América

Jogando pela oitava vez em sua história a principal competição do continente, e a quinta nos últimos dez anos, o Furacão era cabeça de chave e tinha a expectativa de chegar mais longe na disputa. Na primeira fase o Furacão passou por momentos de instabilidade tanto no que diz respeito a treinadores, afinal começou com Alberto Valentim a frente da equipe, passou por Fábio Carille e terminou a competição com Luiz Felipe Scolari no comando, quanto a questão de desempenho haja vista o 5 a 0 “acachapante” na partida contra o The Strongest na altitude.

Entretanto mesmo em meio a essas interrogações, o Athletico ficou em segundo lugar em seu grupo e avançou as oitavas de final da competição. Pela primeira rodada das fases eliminatórias, o Rubro-Negro enfrentou mais uma vez os paraguaios do Libertad que já havia sido adversário na primeira fase da competição. Após dois confrontos muito equilibrados, prevaleceu a força do Athletico que venceu por 2 a 1 na Arena da Baixada com gols de Vitor Roque e Nico Hernandez, e empatou em 1 a 1 no Defensores Del Chaco com gol do atacante Rômulo. Pelas quartas de final, os comandados de Scolari tinham pela frente o tetra campeão continental Estudiantes de La Plata. Como senão bastasse toda a qualidade da equipe argentina, a força da camisa, e a decisão ser em La Plata, o Rubro-Negro teria que vencer uma equipe que jamais havia perdido uma partida de Libertadores da América jogando em seus domínios, mais precisamente no Estádio Jorge Luis Hirschi.

No primeiro jogo na Arena da Baixada, um confronto muito disputado e após mais de 90 minutos de partida, o resultado terminou em 0 a 0. No jogo da volta em La Plata, e com o estádio lotado o Furacão teve muitas dificuldades, e não conseguiu se impor contra os argentinos. Contudo, coube ao fenômeno Vitor Roque anotar o único gol do confronto, e que selou a classificação do CAP a semifinal da competição.

Pela penúltima fase da principal competição do continente, o elenco athleticano enfrentou a poderosíssima equipe do Palmeiras do técnico português Abel Ferreira. Sabedor da necessidade de fazer o resultado, o Furacão contou com a presença massiva de seu torcedor, e se impôs contra o time paulista. Jogando dessa forma aplicada e estratégica, o Furacão conquistou o placar mínimo de 1 a 0 com gol de Alex Santana, e que lhe deu a vantagem para o jogo da volta. No segundo jogo em um Allianz Parque lotado, a vantagem athleticana se foi em 5 minutos, isso porque o Palmeiras abriu o placar logo no início do jogo e empatou a disputa. Contudo mesmo perdendo o jogo por 1 a 0 a situação melhorou para o CAP, pois quando a partida se encaminhava para o final do primeiro tempo, o Furacão ficou com um jogador a mais após o defensor da equipe paulista ser expulso. Entretanto, o Athletico não conseguiu colocar em prática sua superioridade numérica, e acabou tomando o segundo gol que deixou a situação extremamente complicada. Todavia quando tudo parecia perdido, coube a Pablo colocar o Athletico na disputa descontando o marcador para 2 a 1. Quando o jogo se aproximava do apito final e se encaminhava para as disputas dos pênaltis, após mais uma bela jogada do atacante Pablo, David Terans arrematou e após um leve desvio a bola morreu no fundo das redes, era o gol que empatava a partida e que colocava o Furacão na final da Libertadores da América 2022.

Na grande final em Guayaquil (QUE), o Furacão tinha novamente pela frente o Flamengo. Em um jogo muito organizado, o Athletico conseguia neutralizar as melhores jogadas da equipe carioca e quando possível agredia a meta do goleiro adversário. Porém quando o jogo se encaminhava para a reta final da primeira etapa, ocorreu o lance que marcou aquela final.

Após carrinho no lateral esquerda do Flamengo, o zagueiro Pedro Henrique foi expulso, e deixou o Furacão com um a menos. Não deu nem tempo da equipe athleticana se organizar e terminar a primeira etapa, e a “apunhalada” final ocorreu ainda nos 45 minutos iniciais. Depois de uma jogada pelo lado esquerdo da defesa do Athletico, a bola foi cruzada para a área e chegou na segunda etapa onde estava o centroavante adversário que empurrou a bola dentro da meta athleticana. Foi o único gol do jogo, e que colocou um fim no sonho do Athletico se sagrar campeão continental. Pela segunda vez o Furacão era vice-campeão da Libertadores Da América.

 

Brasileirão

Disputando mais de uma competição em meio ao Campeonato Brasileiro, o Athletico fez uma boa campanha e terminou mais uma vez na sexta-colocação. Os destaques individuais ficaram por conta do meia uruguaio David Terans que terminou o campeonato anotando doze gols e somou dezessete gols e dezenove assistências ao longo da temporada, e do centroavante Vitor Roque que fez cinco gols no certame nacional.



Últimas Notícias

Brasileirão A1|Opinião

NEM 8, E NEM 80

O título do que será relatado abaixo, resume muito o sentimento desse ilustre torcedor quem vos escreve.   Na noite de ontem o Furacão entrou…