5 set 2019 - 14h33

Uma vitória gigantesca

O Athletico, na noite de ontem (04), conquistou a vaga na finalíssima da Copa do Brasil ao vencer o Grêmio nos pênaltis, após devolver o placar de 2×0 sofrido no jogo de ida em Porto Alegre.

Por si só, essa vitória já se apresenta muito grande, por desbancar um favoritismo enorme, além de acabar com a expectativa de uma final gaúcha com um dos maiores clássicos do país. Intruso, o Athletico proporcionou o imponderável.

Quando alguns números* são revisitados, porém, o tamanho da vitória atleticana aumenta, demonstrando que o tamanho da conquista vai além da importantíssima e tão almejada vaga numa final tão valiosa, nem um ano depois da conquista de um dos maiores títulos da história do clube.

Pra início de conversa, a vantagem atleticana nos confrontos com o Grêmio da Arena da Baixada (19 jogos, com 7 vitórias atleticanas, 7 empates e 5 vitórias gremistas) não se refletiam na Copa do Brasil até a noite de ontem: em 2016 e 2017, a vitória foi gaúcha, por 1–0 e 3–2, respectivamente.

Segundo maior vencedor da Copa do Brasil (com 5 títulos, atrás apenas do Cruzeiro, com 6), o Grêmio somava, até ontem, 13 semifinais disputadas, com 8 classificações para a final.

Tamanha tradição no torneio, ainda, trazia outra dificuldade para o Furacão: o Grêmio jamais foi desclassificado da competição após vencer por dois gols de vantagem no jogo de ida.

Em 2019, o tricolor gaúcho somava 15 jogos nos principais torneios “mata-mata” (Libertadores e Copa do Brasil), mas em nenhum deles havia sofrido mais do que um gol, demonstrando grande solidez defensiva que fez valer sua fama de copeiro. Pelo menos até a noite de ontem.

Não é a toa que apenas o imponderável garantiria a classificação atleticana. Assim, até mesmo um jejum de gols do artilheiro rubro-negro foi quebrado: Marco Ruben já estava há 12 jogos (quase três meses) sem balançar as redes, mas marcou o gol que levou a disputa para os pênaltis. Novamente ele, carrasco gremista na Libertadores de 2016, quando marcou três gols nos dois confrontos das oitavas de final daquele ano, eliminando o time gaúcho.

Pra fechar, vale dizer que a vitória salienta o bom retrospecto rubro-negro contra os quatro semifinalistas da Copa Libertadores da América: River Plate e Boca Juniors, embora tenham superado o Athletico nos desafios que travaram, não o fizeram sem sucumbir na Arena da Baixada. Já Flamengo e Grêmio foram eliminados pelo Furacão na Copa do Brasil, ambos perdendo nos pênaltis.

No futebol, claro, números são apenas números. Nada supera as emoções dessa (nova) grande conquista rubro-negra. Mas, às vezes, alguns dados ilustram a grandeza de alguns feitos que, definitivamente, entram para a história do clube.

* Os dados são da Footure, da Gazeta do Povo, e do Paraná Portal.

Saiba Mais



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…