15 set 2020 - 0h01

Libertadores, estamos voltando!

Exatos 188 dias depois de perder por 1 a 0 para o Colo-Colo, na segunda rodada da fase de grupos da Libertadores, o Athletico volta à campo na competição internacional, na reestreia do torneio após a paralisação devido à pandemia da Covid-19. O adversário desta terça-feira (15) é o boliviano Jorge Wilstermann, a partir das 19h15 (horário de Brasília), no estádio Félix Capriles, em Cochabamba.

A partida terá transmissão da CONMEBOL TV, em modelo de pay-per-view nas operadoras Claro e SKY,com conteúdo produzido e programado pela Band Sports. A assinatura tem mensalidade de R$ 39,90 e acesso pelas plataformas de vídeo das operadoras (tv por assinatura e streaming).

O Grupo C da Libertadores é um dos mais equilibrados até aqui, com os quatro times empatados com 3 pontos, todos fazendo valer o fator mando de campo. Ainda nesta terça, jogam no estádio Monumental de Santiago, Colo-Colo x Peñarol, também às 19h15 (horário de Brasília), com transmissão para todo Brasil pela Fox Sports.

Adversário

Se o desempenho atleticano na retomada do futebol brasileiro após a parada devido ao coronavírus é instável, mesmo com o título conquistando o Estadual, o desempenho do Jorge Wilstermann é uma verdadeira incógnita. O time não disputou desde então nenhuma partida oficial e retornou aos treinamentos há poucas semanas – o que, na opinião dos bolivianos é uma enorme desvantagem.

O técnico Cristian Díaz chegou a afirmar que há uma notável diferença de 1.200 minutos de jogo entre o Athletico e o Jorge Wilstermann, referindo-se aos 6 jogos do Campeonato Paranaense (quartas de final contra o Londrina, semifinal contra o Cascavel e os dois Atletibas da final) e mais dez rodadas do Campeonato Brasileiro.

O time boliviano deve entrar em campo com três mudanças em relação à ultima partida da Libertadores, em março, na derrota por 1 a 0 para o Peñarol, atuando com Arnaldo Giménez, Esteban Orfano, Edward Zenteno, Ismael Benegas e Juan Pablo Aponte; Carlos Melgar, Leonel Justiniano, Cristian “Pochi” Chávez, Patricio “Pato” Rodríguez e Serginho; Gilbert Álvarez. O meia Pato Rodríguez é uma das caras novas do time e deve fazer sua estreia contra o Furacão.

A torcida, que não poderá acompanhar o jogo do estádio, devido às medidas da Conmebol de controle ao coronavírus, promete uma grande festa fora do estádio, com direito a desfile de bandeiras e faixas no percurso que o ônibus fará, entre o Hotel La Colônia e o estádio Félix Capriles, num clima diferente da volta da Libertadores em tempos de pandemia.

Clique aqui e relembre um pouco mais sobre o Jorge Wilsterman, adversário do Furacão nesta terça-feira.

Palco da partida

O Jorge Wilstermann manda seus jogos no estádio Félix Capriles, em Cochabamba, a 2.560 metros de altitude – uma região montanhosa, mas com efeitos minimizados da altitude em comparação a La Paz, por exemplo, a 3.600 m do nível do mar.

Estádio Félix Capriles recebe bandeiras e faixas para a volta da Libertadores sem público [foto: Jornal Opinión da Bolívia]
Inaugurado em 1938, o local é compartilhado por três equipes locais: Jorge Wilstermann, Aurora e Enrique Happ, além de também sediar eventos culturais e políticos.

O estádio foi reformado em 2017 para receber os Jogos Sul-Americanos no ano seguinte e é um dos mais importantes da Bolívia, com capacidade para 32 mil pessoas – mas, óbvio, estará sem público para a partida, seguindo as exigências do protocolo de segurança da Conmebol.

Ano passado, também na Libertadores, o Athletico jogou no local: derrota por 3 a 2, em 24 de abril. O Wilstermann abriu o placar aos 22 minutos do primeiro tempo, com Pedriel, e 17 minutos depois, em gol contra de Ballivián, o Rubro-Negro empatou. No segundo tempo, Ortiz, de pênalti, e Marco Rúben, também de pênalti, marcaram, mas Melga, aos 42 minutos, em nova cobrança de penalidade decretou a derrota atleticana na partida. Apesar do revés, no mesmo dia o Athletico garantiu a classificação para as oitavas de final, beneficiado, na época, pelo empate entre Tolima e Boca Juniors.

Furacão

Depois de reencontrar a vitória no Brasileirão, ao superar o rival Coritiba por 1 a 0 no último sábado, o Athletico encontrou a motivação e tranquilidade necessárias para reestrear na Libertadores.

Para a partida, o técnico Eduardo Barros tem quatro desfalques importantes: o zagueiro Thiago Heleno, que não acompanhou a delegação devido a uma limitação fisiológica que o impede de atuar na altitude; os meias Léo Cittadini e Nikão, ambos com entorse de tornozelo; e o goleiro Jandrei, expulso contra o Colo-Colo e que cumprirá suspensão automática.



Últimas Notícias

Opinião

Libertadores, estamos aqui

Do alto da nossa sétima participação na Copa Libertadores da América, temos que reconhecer que já temos muita história para contar: da primeira participação, via…