15 set 2020 - 0h01

Libertadores, estamos voltando!

Exatos 188 dias depois de perder por 1 a 0 para o Colo-Colo, na segunda rodada da fase de grupos da Libertadores, o Athletico volta à campo na competição internacional, na reestreia do torneio após a paralisação devido à pandemia da Covid-19. O adversário desta terça-feira (15) é o boliviano Jorge Wilstermann, a partir das 19h15 (horário de Brasília), no estádio Félix Capriles, em Cochabamba.

A partida terá transmissão da CONMEBOL TV, em modelo de pay-per-view nas operadoras Claro e SKY,com conteúdo produzido e programado pela Band Sports. A assinatura tem mensalidade de R$ 39,90 e acesso pelas plataformas de vídeo das operadoras (tv por assinatura e streaming).

O Grupo C da Libertadores é um dos mais equilibrados até aqui, com os quatro times empatados com 3 pontos, todos fazendo valer o fator mando de campo. Ainda nesta terça, jogam no estádio Monumental de Santiago, Colo-Colo x Peñarol, também às 19h15 (horário de Brasília), com transmissão para todo Brasil pela Fox Sports.

Adversário

Se o desempenho atleticano na retomada do futebol brasileiro após a parada devido ao coronavírus é instável, mesmo com o título conquistando o Estadual, o desempenho do Jorge Wilstermann é uma verdadeira incógnita. O time não disputou desde então nenhuma partida oficial e retornou aos treinamentos há poucas semanas – o que, na opinião dos bolivianos é uma enorme desvantagem.

O técnico Cristian Díaz chegou a afirmar que há uma notável diferença de 1.200 minutos de jogo entre o Athletico e o Jorge Wilstermann, referindo-se aos 6 jogos do Campeonato Paranaense (quartas de final contra o Londrina, semifinal contra o Cascavel e os dois Atletibas da final) e mais dez rodadas do Campeonato Brasileiro.

O time boliviano deve entrar em campo com três mudanças em relação à ultima partida da Libertadores, em março, na derrota por 1 a 0 para o Peñarol, atuando com Arnaldo Giménez, Esteban Orfano, Edward Zenteno, Ismael Benegas e Juan Pablo Aponte; Carlos Melgar, Leonel Justiniano, Cristian “Pochi” Chávez, Patricio “Pato” Rodríguez e Serginho; Gilbert Álvarez. O meia Pato Rodríguez é uma das caras novas do time e deve fazer sua estreia contra o Furacão.

A torcida, que não poderá acompanhar o jogo do estádio, devido às medidas da Conmebol de controle ao coronavírus, promete uma grande festa fora do estádio, com direito a desfile de bandeiras e faixas no percurso que o ônibus fará, entre o Hotel La Colônia e o estádio Félix Capriles, num clima diferente da volta da Libertadores em tempos de pandemia.

Clique aqui e relembre um pouco mais sobre o Jorge Wilsterman, adversário do Furacão nesta terça-feira.

Palco da partida

O Jorge Wilstermann manda seus jogos no estádio Félix Capriles, em Cochabamba, a 2.560 metros de altitude – uma região montanhosa, mas com efeitos minimizados da altitude em comparação a La Paz, por exemplo, a 3.600 m do nível do mar.

Estádio Félix Capriles recebe bandeiras e faixas para a volta da Libertadores sem público [foto: Jornal Opinión da Bolívia]
Inaugurado em 1938, o local é compartilhado por três equipes locais: Jorge Wilstermann, Aurora e Enrique Happ, além de também sediar eventos culturais e políticos.

O estádio foi reformado em 2017 para receber os Jogos Sul-Americanos no ano seguinte e é um dos mais importantes da Bolívia, com capacidade para 32 mil pessoas – mas, óbvio, estará sem público para a partida, seguindo as exigências do protocolo de segurança da Conmebol.

Ano passado, também na Libertadores, o Athletico jogou no local: derrota por 3 a 2, em 24 de abril. O Wilstermann abriu o placar aos 22 minutos do primeiro tempo, com Pedriel, e 17 minutos depois, em gol contra de Ballivián, o Rubro-Negro empatou. No segundo tempo, Ortiz, de pênalti, e Marco Rúben, também de pênalti, marcaram, mas Melga, aos 42 minutos, em nova cobrança de penalidade decretou a derrota atleticana na partida. Apesar do revés, no mesmo dia o Athletico garantiu a classificação para as oitavas de final, beneficiado, na época, pelo empate entre Tolima e Boca Juniors.

Furacão

Depois de reencontrar a vitória no Brasileirão, ao superar o rival Coritiba por 1 a 0 no último sábado, o Athletico encontrou a motivação e tranquilidade necessárias para reestrear na Libertadores.

Para a partida, o técnico Eduardo Barros tem quatro desfalques importantes: o zagueiro Thiago Heleno, que não acompanhou a delegação devido a uma limitação fisiológica que o impede de atuar na altitude; os meias Léo Cittadini e Nikão, ambos com entorse de tornozelo; e o goleiro Jandrei, expulso contra o Colo-Colo e que cumprirá suspensão automática.



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…

Fala, Atleticano

Pandemia x Pandético

Infelizmente em 2020 tivemos que conviver com esta pandemia, isolando jogadores e torcida, mas como reflexão sabemos que a cada dia que passa esta situação…

Fala, Atleticano

Planejamento

Alguns equívocos sucederam a saída de Thiago Nunes da equipe principal, razão pela qual da queda brutal no desempenho em campo, este recuperado parcialmente para…