5 set 2002 - 19h01

Hora de fazer as malas

O Atlético se prepara para encarar nos próximos dias uma temporada de jogos fora da Arena da Baixada. A delegação atleticana está arrumando as malas para passar seis dias na estrada e logo no retorno a Curitiba disputar o primeiro clássico do segundo semestre.

A seqüência dos três próximas partidas do Atlético não será fácil. No próximo domingo, dia 8, o rubro-negro enfrenta o Santos na Vila Belmiro. Continuando a maratona de jogos fora, o Atlético terá pela frente o Flamengo, no Maracanã, na quarta-feira, dia 11. Menos de 72 horas após o término do confronto contra os cariocas, os jogadores atleticanos voltam a campo para disputar o clássico contra o Paraná Clube com o mando de jogo sendo do adversário.

A ordem no Atlético é pensar em cada adversário da cada vez. Assim, o técnico Valdir Espinosa junto com os outros integrantes da comissão técnica já estão estudando a equipe santista.

“Sempre o próximo adversário é com quem nós vamos nos preocupar. Nenhuma equipe é especial na competição. O jogo é contra o Santos e é nesta equipe que o Atlético está pensando exclusivamente”, afirmou Espinosa.

O treinador atleticano acredita na capacidade do rubro-negro paranaense de buscar fora de casa o mesmo aproveitamento dos jogos na Arena. A equipe vem mostrando ao longo da competição que o time está apresentando um bom futebol e que poderá melhorar a cada rodada.

“O Atlético vem mostrando que tem força e capacidade para jogar contra qualquer equipe. O time está jogando muito bem, mas a cada partida eu vou exigir mais dos atletas. Eu nunca vou me dar por satisfeito”, disse o técnico.

A maior preocupação para o jogo na cidade de Santos é o apoio da torcida. Segundo Espinosa, a equipe se deixa empurrar pelos torcedores na arquibancada e se torna cada vez mais ofensiva durante a partida. Para brecar as ofensivas paulistas, a experiência atleticana deve prevalecer contra a juventude santista.

“A partida será muito boa devido ao fato que as duas equipes possuem as mesma características. Nós temos que ficar alerta quanto ao apoio da torcida que empurra o Santos para cima do adversário e com a garotada que tem muita velocidade”, concluiu Espinosa.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Atlético



Últimas Notícias

Opinião

E lá se vão 6 anos

O tempo passa. Completamos hoje 6 anos de Nikão no Athletico. Há exatos 6 anos recebíamos Maycon Vinicius Ferreira da Cruz, conhecido como Nikão. Quando…

Ao Sol e à Sombra

Caju

Dizem que onde o goleiro pisa, nunca mais cresce a grama. Mas no estádio Joaquim Américo, mesmo agora, com o gramado sintético, a grama é…